W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Roger e a oxigenação do Grêmio

300111-roger-gremio-gp

Créditos da imagem: Portal Terra

“Alguma coisa acontece no meu coração”… Não, não estou cruzando a avenida São João, como sugere a bela música de Caetano Veloso (que homenageia Sampa até no nome), mas tentando mudar um parâmetro bem comum no futebol. Mais do que isso, tentando ser justa com o outro. No caso, colorada que sou, o outro representa o maior adversário, o coirmão (e arquirrival) Grêmio.

Mas tenho que dar a mão à palmatória.

Depois de enfrentar um período de trevas com um técnico decadente e reconhecido por suas grosserias, o tricolor gaúcho parece outro. Saiu Felipão e entrou Roger, para alegria dos torcedores. E o Grêmio, enfim, entrou nos eixos.

Um caso emblemático dessa mudança é o volante Edinho, um dos desafetos do técnico anterior e que passava temporadas pescando em Tramandaí, no litoral gaúcho, e agora – novamente motivado e respeitado enquanto profissional – encontra nova oportunidade.

Em recente partida pelo Campeonato Brasileiro, o time gaúcho envolveu o então líder Atlético Mineiro e ganhou por seus méritos e não por falhas do adversário, este, que lutou bravamente até o último minuto. O primeiro gol chegou a lembrar, perdoem a comparação, o Barcelona. Pelo toque de bola, troca de posições e entrosamento vistos. E como jogou o “maestro” Douglas! Pena nunca ter prezado pela regularidade na carreira, que poderia ter sido tão mais cheia de glórias, já que potencial nunca lhe faltou. Sem falar no paredão Marcelo Grohe, que a cada partida vem fazendo jus às convocações feitas por Dunga para o escrete canarinho.

Após a era das trevas, muito em razão do técnico anterior – que chegou ao cúmulo de abandonar o time em campo e se refugiar no vestiário antes do término de uma partida contra o Veranópolis, em fevereiro, deixando o time acéfalo, sem comando -, o elenco de jogadores se renova com Roger Machado, ex-jogador de base do time que conhece bem os meandros do ofício: é um profissional atualizado que, além de demonstrar que conhece tática de jogo, qualifica a técnica do jogador individualmente, ou seja, treina no cotidiano como chutar uma bola, como cabecear e finalizar. O básico, com muito trabalho e pouca fala externa. E sem clima de guerra de bastidores e rixas pessoais, como os que enfrentaram Edinho e Kléber Gladiador.

Neste Brasileirão, o gremista, como bem prega o hino do saudoso Lupcínio Rodrigues, tem todos os motivos para cantar: “até a pé nós iremos para o que der e vier, mas o certo é que nós estaremos com o Grêmio onde o Grêmio estiver”.

Pois a caminhada promete ser gloriosa.

Chegou a hora da Copa do Brasil brilhar
Ganso, Douglas e nossas projeções mentais

Escrito por:

- possui 27 artigos no No Ângulo.

Jornalista formada pela PUC-RS, essa gaúcha nascida em Passo Fundo e residente em Porto Alegre é especialista em Meio Ambiente, tem interesse por política e gosta de transitar e dar os seus pitacos sobre diferentes temas. Uma romântica do futebol, busca analisar as sutilezas do esporte bretão.

Entre em contato com o Autor

3 respostas para “Roger e a oxigenação do Grêmio”

  1. Jorge Rochembach disse:

    Trata-se do meu favorito ao título do Brasileirão 2015!

  2. JACQUELINE ANNES disse:

    LENA TU ESTA CADA VEZ, MELHOR COM OS TEUS ARTIGO.BJS

  1. […] tricolor gaúcho foi derrotado pelo São Paulo, em partida pouco produtiva da equipe comandada pelo “técnico-revelação” Roger. Já o Furacão, para que continue firme na briga por uma vaga no G4, não pode nem pensar em […]


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados