Se eu fosse o Grêmio…

Créditos da imagem: Eitan Abramovich / AFP

…renovaria com Renato Gaúcho pelas próximas dez temporadas, faria uma estátua a ouro e construiria uma praia artificial em Porto Alegre, para o treinador se aprimorar ainda mais e ficar mais à vontade no clube;

Se eu fosse Renato, aceitaria o contrato, pediria detalhes em diamante na estátua prometida e reservaria todas as segundas-feiras para a praia criada pelo Grêmio pra treinar e descansar meus jogadores;

Se eu fosse os jogadores do Grêmio, jamais sairia do time, principalmente aqueles que já estavam sem mercado no país e que deram a volta por cima após serem considerados refugos de outros clubes,

Se eu fosse os outros clubes, copiaria o modelo do Grêmio de dar novas chances a jogadores rodados, mesmo àqueles desprezados devido a uma ou duas passagens ruins pelo Brasil ou pela Europa;

Se eu fosse a Europa, viria buscar Geromel, Arthur e Luan;

Se eu fosse o Luan, guardaria meu poder de fogo pra ofuscar Cristiano Ronaldo na final do Mundial (vai que o gajo não está em um bom dia);

Se eu fosse Cristiano Ronaldo, aproveitaria o Mundial pra pegar umas dicas sobre como desfrutar melhor a vida, com Renato Gaúcho,

Como não sou nenhum deles, eu quero é aproveitar esse restinho que ainda temos de futebol em 2017 e aguardar o tão prometido 2018.

6 comentários em: “Se eu fosse o Grêmio…

  1. Esse negócio de dar chance a jogador refugo só dá certo no grêmio, flamengo e SCCP, esse time do grêmio no inter brigaria pra não cair, não sei a explicação disso.

    1. Motivação,falar há linguagem dos jogadores.Renato Gaúcho sabe bem esse linguajar de Boleiros.Afinal foi um crack dá bola multi-Campeão.Abel Braga também têm competência pra isso!

  2. Acredito que ele deve ter ao seu lado profissionais qualificados. Ouvi ele dizendo que não se aprofundou em táticas esquemas que o futebol exige hoje. Mas sobra em carisma companheirismo abraçar o grupo de jogadores nas dificuldades e absorver as pancadas . Gestão de pessoas isso ele sabe fazer como ninguém.

Deixe sua opinião e colabore na discussão