Se Tite assumir, enfrentará os dilemas e a solidão de um técnico de Seleção

Créditos da imagem: Sergio Barzaghi / Gazeta Press

A vida de técnico de Seleção parece mais tranquila do que técnico de clube. Parece, mas não é. A cobrança é intensa, de uma nação inteira.

Se bem que para Tite, caso ele tope o desafio de comandar o escrete canarinho, não mudará muito. A torcida do Corinthians é considerada uma grande nação. Ele sabe o que é ser cobrado diariamente por resultados, nem tanto por bom futebol.

Só que Tite, enquanto comandante da Seleção, terá que dar satisfação a todo o País. Ganhando ou perdendo, estará na alça de mira dos críticos e dos torcedores. Ouvirá de companheiros de profissão que será apoiado, mas não será. Muitos torcerão o nariz, mas dirão em público que torcem pelo seu sucesso. Jogadores que ficarem de fora das convocações também chorarão nos bastidores.

Só há uma maneira de aplacar esse tipo de coisa. Vencendo e se classificando para a Copa-2018.

Se for para a repescagem, será contestado mesmo que consiga a classificação, que é o que sempre acontece com o quinto da América do Sul contra o representante da pobre, futebolisticamente é claro, Oceania (sempre o quinto se classifica, não tem jeito, a diferença é mesmo daqui à Oceania).

Tite viverá a solidão do treinador da Seleção. Se ganhar, é obrigação e todos os seus auxiliares repartirão com ele as alegrias. Se perder, o ônus será todo dele.

É fácil, Dunga não fez um grande trabalho nessa segunda passagem pela Seleção, mas foi tirado da Copa América por um erro de arbitragem. Tivesse empatado com o Peru, ainda estaria nos Estados Unidos dando entrevistas sobre o futuro dele e da Seleção, por pior que fosse a sua avaliação. Vale frisar que ele também não perdeu para o Equador por causa da arbitragem. Não caiu apenas porque jogou mal, caiu porque foi eliminado. Se fosse pelo futebol já teria caído há muito tempo.

Que Tite, que nunca esteve na Seleção, aprenda rapidinho a lição. É vencer ou vencer. Jogar bonito é bom, mas ninguém no Brasil perdoa os perdedores principalmente se esses vestirem a camisa verde-amarela que anda tão desbotada ultimamente diante de tantos insucessos.

Agora vem a outra questão: Como será a primeira convocação de Tite para os jogos com o Equador, fora, e Colômbia, na longínqua Arena da Amazônia (não se assustem, o jogo será em Manaus porque, afinal, alguém tem que utilizar um estádio que foi feito para a Copa e como se previa virou um grande elefante branco), no início de setembro?

A pergunta é: Quantos jogadores do Corinthians, Tite vai levar? Cássio hoje é seu reserva, Fagner vive grande fase, Felipe foi para o Porto, Elias já estava com Dunga e para por aí.

No entanto, se levar mais do que dois, por exemplo, será criticado. O que fará em relação a Thiago Silva, considerado um dos melhores zagueiros do mundo apesar das lágrimas fora de hora e das jogadas de vôlei que se transformam em pênaltis? David Luiz estará na sua relação? Luiz Gustavo, Fernandinho, Oscar, Hulk? Vai priorizar os que jogam aqui até para evitar longa viagem daqueles que estão na Europa sobrando tempo para treinamento? Como lidará com Neymar? Tite gosta de um time que joga coletivamente, com esquema bem acabado com cada um cumprindo a sua função. Não se deu bem com Alexandre Pato, que se está longe de ser um Neymar, também não é André, nem Vágner Love. Embora seja indolente, Pato é um jogador tecnicamente muito bom e quando chegou veio com o rótulo de craque e estrela. Não se deu bem com Tite e se arrasou com aquele pênalti mal batido contra o Grêmio na Copa do Brasil.

Além disso, Neymar hoje manda e desmanda na Seleção Brasileira. É um bibelô e todos dizem amém a ele. Dunga não conseguiu contê-lo e muito menos Gilmar Rinaldi. A ideia dos dois era vencer a Copa América do Centenário para provar que o time não era tão dependente assim de Neymar. Como se viu, o projeto não deu certo e o Brasil continua precisando muito do seu craque mimado.

Outras questões que se colocam: Tite vai escalar a Seleção num 4-1-4-1 ou terá outras alternativas? Marcelo, vetado por Dunga, mas muito melhor do que Filipe Luís, voltará ao time brasileiro? Como adaptar Douglas Costa, que também joga pela esquerda, posição de Neymar, para o lado direito e assim não desperdiçar o seu enorme talento? Jogará com referência no ataque ou com um atacante flutuante? O veterano Ricardo Oliveira ainda fará parte dos planos ou será melhor apostar em jovens como Gabigol e Gabriel Jesus, para quem fez rasgados elogios após a derrota para o Palmeiras?

O dilema do treinador é que no clube ele pode indicar alguns jogadores pensando num esquema tático definido, mas na Seleção ele convoca quem bem entender para preencher os esquemas que tem na cabeça. No clube pode dividir a responsabilidade com a falta de dinheiro para contratar e até pode dizer que quem veio não era o primeiro da lista. Na Seleção, não. Tudo é responsabilidade do treinador. Para o bem e para o mal.

Se você optar pelo sim (e espero que o faça, pois a CBF é uma entidade como outra qualquer, com corruptos e pessoas honestas no seu corpo de funcionários, e o BRASIL precisa mais de você do que a entidade máxima do nosso futebol), boa sorte, Tite. Competência você tem, cuidado com os novos amigos que surgirão para lhe dar tapinhas nas costas. Agora, mais do que nunca, você será o cara.

Leia também:

Tite é a única chance de o “time da CBF” voltar a ter legitimidade como Seleção Brasileira

Entre o “não pedagógico” e o “ponto de partida das mudanças”, que Tite opte por representar a segunda opção

41 comentários em: “Se Tite assumir, enfrentará os dilemas e a solidão de um técnico de Seleção

  1. Acho que ele só dará certo se convocar a maioria dos jogadores daqui, se continuar a convoca os jogadores que atuam na Europa não dará certo. Porque a CBF não contrata um técnico Europeu já que a maioria dos jogadores atuam por lá e já estão acostumados aos esquemas dos técnicos de lá? O Guardiola é doido pra treinar a seleção brasileira

  2. Pow o tem o tite.. tem o técnico do Audax.. também.. são os únicos mas inteligente que treinam o times deles pra ganhar não pra tentar ganhar..!! E foda esses dois técnicos boto fé neles.. vão melhorar a seleção.

  3. O tite deve estar pensando se não seleção ele vai poder montar o mesmo esquema tático que ele tinha no Corinthians, com dois bandeirinhas jogando pelas pontas e o árbitro centralizado…

    1. No seu colo como? Tipo como a sua mãe ficava no meu ? Ou igual sua vó,que foi tipo aquele estrupo coletivo, a esqueci da sua irmã, que me mamava , e mamava todos os meus primos… vai tomar no cu o filho da puta, ninguém faltou respeito com VC até agora… engraçado como aqui no face,todo mundo é brabo, todo mundo quer xingar a mãe bdos outros…será que pessoalmente seria brabo assim???

Deixe sua opinião e colabore na discussão