W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Sejam mais Daniel Alves

imagem

Créditos da imagem: fcbarcelona

Humilde, humano e ousado. Esse é Daniel Alves, o melhor garçom que Messi já teve.

Habilidoso, veloz e ofensivo. Esse é Daniel Alves, nascido no sertão da Bahia, filho de seu Domingos e dona Lucia.

Alegria, coração e alma. Esse é Daniel Alves, o maior lateral direito da história do Barcelona.

Todos estão comentando, discutindo e escrevendo sobre o adeus (ou até logo) de Dani ao Barcelona. Especulando valores de transação, motivos da saída, possíveis destinos e também o provável substituto do lateral. Tudo isso gerando ainda mais polêmica na vida de Daniel Alves.

Mas será que ninguém parou pra pensar em tudo que ele já passou na vida? Em tudo que ele superou e teve que fazer pra chegar onde está? Méritos, agradecimentos, homenagens, cadê?

Vamos especular menos e refletir mais positivamente sobre as coisas, assim como ele faz.

Vocês têm noção de que ele vivia no sertão da Bahia, acordava 5 horas da manhã, colocava vários panos na cabeça para se proteger do sol escaldante e trabalhava na lavoura de melão com seu pai?

Dani Alves plantava e colhia melão para poder viver. E isso pra ele, era o que ele tinha de mais valioso. Dizia que os melões eram seus melhores amigos, de tão importantes que eram pra sua família, colhia cada um dos frutos, cuidava, fazia carinho e até dava nome. Ele se divertia fazendo isso.

Não estou contando essa história pra dizer que ele sofreu muito, teve uma infância pobre, mas sim para mostrar que devemos valorizar o que temos, independente do que seja. Agarre-se no que você tem.

Como todo garoto brasileiro, ele jogava futebol depois do trabalho e da escola, mas não tinha aquele sonho de menino de ser um grande jogador. Ele queria mesmo era ser muito bom por alguma coisa, seja ela qual fosse. Até por isso, treinava seu autógrafo quando criança! Pois tinha certeza que um dia seria alguém, nos campos da lavoura, de futebol ou da vida.

Mas por sorte, ironia do destino ou qualquer polêmica que seja, Daniel Alves foi parar na cidade grande. Ainda menino teve que se mudar para Salvador às pressas, não se despediu nem de sua mãe… foi jogar no gigantesco Bahia. E naquela época, não tinha uma peça de roupa na sua mala, só a que tinha no corpo (quem diria, né?). E ele foi. Jogou no maior time do seu estado, realizou o sonho de seu pai e seu irmão.

Já estava bom? Não. Ele queria mais e sabia que poderia alcançar. Já tinha o autógrafo ensaiado mesmo, bastava apenas buscar um campo mais fértil.

Levou sua confiança, um pouquinho mais de roupas na mala, sua habilidade nos pés e seu carisma para a Espanha. Jogou no Sevilla, conheceu um pouco dos costumes, tradições e do luxo europeu. Mas foi em 2008 que ele chegou ao Barcelona, e a partir dali ele começou a trabalhar na lavoura mais importante de sua vida.

Será que ele caiu na pressão do momento em que estava vivendo? Ficou com medo? Deixou se levar por isso? Pela fama, sucesso e dinheiro? Com certeza não.

Daniel Alves, o garotinho do sertão da Bahia estava no Barcelona. Vestindo a camisa 6 de Xavi, e não só a vestindo no corpo, mas a honrando com muito futebol e caráter, o que não é pra qualquer um.

Estava no Barcelona e estava dando um novo sentido para o esquema tático do time, não era apenas um lateral direito completo, mas um lateral direito que marca, defende, cria, avança, finaliza, é ala, é ofensivo, é habilidoso, é veloz.

Daniel tornou-se peça fundamental no incrível Barcelona que o mundo se encantou. Ele serviu Lionel Messi, que para muitos é o melhor jogador do mundo, 42 vezes. Foram inúmeras assistências perfeitas para o camisa 10 e 23 títulos pelo Barcelona.

Muitas polêmicas, entrevistas com críticas à imprensa e diretoria do clube, roupas e legendas de fotos extravagantes, mas e daí?! Ele nunca se deixou levar, ele vive a vida com alegria e não leva as coisas tão a sério.

O garoto não tinha roupa pra vestir e se proteger do sol da Bahia e agora querem criticá-lo por usar terno verde com chapéu roxo? Deixa o cara viver e aproveitar do que nunca teve.

Quem mais comeria uma banana que fora jogada para insultar? Quem teria tal reação a não ser Daniel Alves?

Mesmo sendo considerado por anos e melhor lateral direito da atualidade, o Barcelona contratou alguém para tomar seu lugar. A imprensa foi à loucura. E o que Dani Alves fez? Respondeu com futebol e bom humor.

Além e muito superior a tudo isso, vem seu caráter. Que fica evidente tanto dentro quanto fora de campo. Em 2011, o parceiro de equipe de Daniel Alves, Eric Abidal descobriu um tumor no fígado e que seria necessário realizar um transplante de risco. Daniel Alves não hesitou e foi o primeiro a se oferecer para tal cirurgia. Abidal não aceitou pois seria um risco à vida do amigo e companheiro de equipe. Isso sim é dar o sangue e a vida por amor ao clube e aos seus companheiros. Isso é caráter.

Quantas vezes o lateral direito não se dedicou ao famoso Dia dos Reis, no qual atletas visitam crianças doentes nos hospitais e as alegram com brinquedos, presentes ou simplesmente um sorriso? Quantas vezes não vimos Daniel Alves se divertindo com as crianças ao entrar em campo? Ou quem não se lembra do momento em que ele carrega um deficiente visual pelo gramado e depois o leva de volta à sua cadeira?

Existem muitas histórias que exemplificam o caráter dele. Muitas análises do seu desempenho em campo que comprovam a sua excelência como melhor lateral direito da história do Barcelona. E ele nunca deixou sua raiz, nunca esqueceu o que sofreu e pelo que passou, o melão ainda continua sendo o ganha pão da sua família, numa fazenda com equipamentos modernos na Bahia.

Mesmo com todas as críticas, ele nunca deixou se abalar ou desanimar, sempre seguiu em frente com alegria e personalidade.

Depois de 8 anos, ele deixa o Barcelona e a torcida catalã, os únicos perdedores nessa história, porque nessa longa trajetória Dani Alves pôde colher seu melhor fruto: ser feliz simplesmente por ser alguém. É como ele mesmo diz: “Não leve a vida tão a sério…Vamos viver! Pra cima!”.

Então, vamos ser um pouco mais Daniel Alves?

Defesa é ponto-chave para atual Palmeiras repetir times campeões de Muricy
Santos: um balcão de negócios? E Corinthians na briga

Escrito por:

- possui 6 artigos no No Ângulo.

Sarah Tonon, paulista, 23 anos, publicitária formada pela PUC-SP e blogueira no Domina FC. Foi a cabeça pensante das chamadas da ESPN por quase 3 anos, liderou um projeto de divulgação de um time de futebol da NASL e já escreveu sobre o maior rival do seu time do coração. Realizou o sonho de trabalhar e vivenciar uma Copa do Mundo.
Criativa, jovem e manja um pouco de tudo. Uma mina apaixonada por esportes.


Entre em contato com o Autor

20 respostas para “Sejam mais Daniel Alves”

  1. Concordo com você, Sarah Tonon! Acho que no Brasil temos uma espécie de tabu de só cultuar atletas mais “cults” e acabamos vendo com maus olhos os que são como o Daniel Alves. Acabam levando uma fama de alienados entre a “intelligentsia” da mídia esportiva brasileira.

    Sendo que ele, entre outras coisas, deu aquela histórica entrevista para o Bola da Vez!

    Que este histórico jogador seja feliz na Juventus, outra gigante!

  2. Humilde? Está aí uma palavra que acho que não combina tanto com ele e com muitos dos jogadores brasileiros que atuam na Europa….
    E também entitula-lo como maior lateral da história do Barcelona acho uma estupidez uma vez que já passaram pelo Camp Nou grandes jogadores….
    Daniel tem sim sua história no Barça é detentor de títulos, mas temos que ressaltar que jogou no Barça na época de ouro do time o que faz entender que qualquer outro que ali estivesse em seu lugar teria levantado os mesmos títulos….
    E não podemos esquecer da enorme mancha que ele tem em seu currículo que é a pífia campanha e a trágica e humilhante eliminação na Copa de 2014…
    Por tanto, menos aí pessoal…,

    • Sarah Tonon disse:

      A humildade de Daniel Alves vem de suas raízes, de se orgulhar de onde veio e da família que tem. Será mesmo que qualquer outro no lugar dele faria o que ele fez? Seria tão importante nos bastidores do time quanto ele é serviria tão bem Lionel Messi a ponto do próprio argentino colocá-lo como melhor do mundo? Talvez sim, talvez não. Devemos sim apontar os erros que ele, assim como muitos outros, cometeu mas não acredito que isso apague os 8 anos defendendo o Barcelona e ganhando tantos títulos em que ele fez diferença como ele.
      Mas são opiniões e pontos de vista que se forem discutidos aqui serão infinitos, falando de Dani Alves ou quem quer que seja 🙂

    • Então me diz aí Sarah Tonon o que ele fez em prol da família e do povo de sua região? Me diz aí como ele ajuda seus descendentes, porquê dizer que se orgulha de seu povo não enche barriga de ninguém, ninguém come palavras ditas em jornais e tv….
      Quanto a seu futebol, tem vários laterais jogando mais do que ele, exemplo de Lichsteiner da Juve, Lahm do Bayern, o próprio Danilo quando estava no Porto, Bellerín do Arsenal, o Carvajal do Real Madrid que hoje é o melhor lateral direito do mundo, marca e apoia com a mesma eficiência só que sem firulas…. E por último, me diz o que esse cidadão ganhou com os times que defendeu no Brasil e com a Seleção Nacional, vcs vangloriam demais esses caras que usam a seleção apenas para se promover e se dedicam ao máximo aos seus clubes jogando com desprezo na seleção…. Já que ele se orgulha tanto de suas origens Sarah Tonon, porquê não voltou ao Brasil para jogar no time que o revelou? Porquê o dinheiro da Juventus é maior que a sua humildade e suas origens….
      Se liga na finta garota….

    • tamo junto everton humildad nao combina bem com daniel alves daki a pouco vao falar q o neymar tbm e humilde…humildade e leo messi ai sim exemplo d humildade

    • Concordo Rodrigo Oliveira…. Assino embaixo….

    • Everton Alves Brandão, desculpe, mas você tem a sua opinião e a Sarah Tonon tem a dela. A minha, aliás, é parecida com a dela.

      Chamar de estupidez a evidente constatação de que, goste-se ou não, o Daniel Alves é um nome que fez história – principalmente no Barcelona – é agressivo e equivocado.

      Além de ter feito parte (com importante participação, aliás) de um dos grandes esquadrões da história do futebol – senão o maior – e maior time da história do clube catalão, o Daniel Alves ganhou Copa das Confederações, Copa América, Mundial Sub-20… ou seja, mesmo pela Seleção, ganhou tudo menos Copa do Mundo.

      Como exemplo, a FIFA colocou o Daniel Alves no Fifa FIFPro World XI, na última eleição do “time ideal” do mundo.

      Sobre o que ele faz pela família a a região, bem, no próprio artigo fala en passant sobre isso. Mas, de todo modo, não é isso o que está sendo discutido…

      Enfim, não sou um fã dele, nada disso, mas é um fato que, gostando ou não do que faz em campo, ele fez história.

      E fique à vontade para nos enviar textos com a sua visão das coisas. Obrigado! 😉

    • Gabriel Rostey, ganhar títulos em um time como o do Barcelona é moleza, até o Oleguer que era um lateral limitadíssimo ganhou a champions pelo time, sem falar que até o Beletti ganhou champions sendo titular na final, o que prova que em um time bem montado a má qualidade de um jogador não atrapalha a desenvoltura do grupo…. Daniel Alves apoia bem mas é fraquíssimo na marcação, hoje temos vários laterais atuando na Europa superiores a ele como o Lichsteiner da Juve, Bellerín do Arsenal , Juan Fran do Atlético de Madrid,Lahm do Bayern e Dani Carvajal do Real Madrid que é hoje o melhor lateral direito da Europa, marca e apoia com a mesma eficiência, portanto não existe motivos para exaltar esse cidadão lembrando que seu currículo está manchado pelo vexame perante a Alemanha em 2014…. Ganhou Copa América, Confederações, mas o que realmente importa que é a Copa do Mundo, não conseguiu…
      E continuo dizendo, como a Sarah disse que ele é humilde e tem orgulho de suas origens me fala aí o que ele fez em prool do povo do sertão a qual ele se orgulha tanto? Outros tantos jogadores saíram da pobreza para os gramados, isso não é uma história unicamemte dele, Robinho, Romário, Ronaldo, Pelé, tantos outros eram de famílias humildes e venceram na vida, Silvio Santos era camelô e hoje é um dos homens mais ricos do país, e daí? Eles são heróis por isso?
      Já que ele é tão humilde e se orgulha tanto de seu povo porquê não tem nenhum projeto social como muitos Atletas tem para ajudar os mais carentes? Porquê não veio jogar no Brasil e defender o time que o revelou? Sabe porquê? Porquê os Euros da Juventus são maiores do que a sua “humildade” e maior do que o “orgulho” que sente do seu povo….
      Se liga na finta…

    • Sarah Tonon disse:

      Gente, opiniões são opiniões. Espero que você Everton, tenha lido mesmo o meu texto. Eu disse que não discutiria os clichês que envolvem a história de Daniel Alves, e que sim, discutiria o lado bom dele no Barcelona. Em momento algum eu disse sobre seleção brasileira, visto que os brasileiros são ingratos e só lembram das coisas ruins que os jogadores fazem. Das boas, como o Gabriel pontuam ninguém se recorda. De qualquer forma, como está escrito no texto, pelo seu povo E sua família ele fez e ainda faz muito. Transformou o terreno de seus pais numa fazenda que gera alimento e emprego numa área tão humilde. Sempre que pode, ajuda financeiramente instituições infantis da Bahia. A questão é: por causa de pensamentos egoístas e negativos que todos nós deveríamos ser um pouco mais como Daniel Alves. Mais leves e de bem com a vida.

    • Como vc disse Sarah Tonon, opiniões são opiniões… Continuo com minha opinião de que não há motivos para exaltar esse cidadão, até mesmo porquê se formos olhar pelo lado técnico e conquistas, temos Cafú e Roberto Carlos que tem muito mais história e talento que esse Daniel Alves… No que diz respeito à humildade, sinceramente não consigo ver nele e nem em Neymar essa humildade a que vc se refere, muito pelo contrário, acho os dois muito dos mascarados… E como não falar em seleção? Então iremos exaltar um cara que segundo vc, fez muito pelo Barcelona mas que deixa a desejar e muito quando defende a seleção do seu país, do seu povo, de suas origens as quais vc ressalta que ele se orgulha muito??? E quanto ao fato dele ajudar à família, mais precisamente aos pais, acho que isso não é mais do que a obrigação dele tendo ele as condições financeiras que tem, e se o não fizesse, pra mim além de falta humildade ele teria muita falta de caráter e amor, e quanto aos empregos que gera, é preciso lembrar que esses geram lucro para ele e sua família, surpreso eu ficaria se ele doasse cestas básicas, remédios e roupas para todas essas pessoas todos meses, aí sim eu diria que ele faz um diferencial a ser exaltado … Portanto, continuo não vendo motivos para exaltar esse cidadão e continuo com minha opinião sobre o que penso dele, e não entendo o que faz algumas pessoas tentarem passar uma falsa imagem dele e de outros jogadores para a sociedade, realmente eu me pergunto isso todos os dias….
      Sem mais para o momento….

    • Lucas Mininel disse:

      Li atentamente alguns pontos desse post e concordo com a Sarah e com o Gabriel. O tratamento egoísta e sempre diminutivo do brasileiro em relação aos que podem e devem ser valorizados, faz com que seu povo também se diminua.

      O que foi abordado está de forma direta e efetiva, mostrando a questão de Daniel Alves no Barcelona. E lá meu amigo, não tem como negar, o cara participou de uma revolução. Não a toa nomes de peso pelo mundo como Iniesta, Xavi, Puyol e outros mais afirmam a importância dele.

      Agora voltando ao que foi suposto…Sabemos se ele tem alguma fundação social? Sabemos sobre qualquer colaboração específica? Muitas vezes isso não é nem divulgado.

      Sobre a seleção, um cara importante, que abriu a boca e falou sobre tudo, sobre todos os esquemas possíveis ali dentro. “AH MAS NÃO GANHOU UMA COPA”….o Messi, admirado acima, também não, e temos diversos exemplos de jogadores que não conseguiram chegar a este nível máximo em termos de títulos.

      Resumindo, creio que devemos considerar o que falar, ler, e saber interpretar o que se diz. Opiniões são opiniões, e tudo deve ser respeitado, mas que seja feito de maneira correta e coerente.

      Ótimo texto Sarah!

    • Wagner Dundr disse:

      Falar merda sem ler o texto é osso heim

    • Continuo com minha opinião e não retiro uma palavra…

    • Continuo com minha opinião Lucas Mininel e não tiro uma palavra do que eu disse…. Se quer babar ovo desse otário, que babe, quer exaltar, que exalte, mas pra mim ele não passa de um lateral comum como muitos que se tem por aí e repito, ajudar os pais não o faz um super herói, é obrigação tendo ele as condições que tem e já que se orgulha tanto de seu povo e suas origens, porquê não voltou a jogar no time que o revelou? A resposta é simples, porquê os Euros oferecidos pela Juve são maiores que sua humildade e maiores que o orgulho que tem de seu povo… E ainda digo mais, assim como todos os outros dez jogadores que começaram aquele jogo contra a Alemanha, onde a honra do futebol brasileiro foi ferida veementemente, ele, Thiago Chorão Silva e o tal de Neymar nunca mais deveriam ser convocados para defender a seleção como também nunca mais poderiam dar entrevista, fazer comentários ou citar de qualquer forma o termo seleção brasileira….
      Mas isso aqui é Brasil, então mesmo após tanto descaso, tanta falta de raça, tanta falta de empenho, tanto desprezo, esses vagabundos continuam sendo exaltados e continuam ficando cada vez mais ricos com o dinheiro dos otários que dão audiência para a poderosa Globo, que pagam caro num ingresso para assistir esses depravados jogarem esse futebol meia boca, que compram camisas com o nome desses mercenários nas costas…. Eu pelo menos, posso dizer orgulhosamente que não faço parte desse grupo…

    • E aí Lucas Mininel, Sarah Tonon, Wagner Dundr, Gabriel Rostey, cadê o crack que segundo vcs é o maior lateral da história do futebol brasileiro? Por quê ele não usou seu altíssimo nível de talento para salvar a selebosta ontém? Assim ele iria deixar alegre o seu povo do qual ele tanto se orgulha….kkkkkkkk

  3. Humilde é o Durval do Sport, rsrsrs, esse Daniel é um arrogante do caramba.

  4. Boa, Sarah Tonon. Acho que algumas críticas ao Daniel Alves são justas (ele é “mala” mesmo e às vezes dá uma mancada ou outra). Por outro lado, a sua irreverência é utilizada para coisas positivas também, como no episódio da banana que você bem lembrou e na entrevista lembrada aqui nos comentários pelo Gabriel Rostey. No mais, gostei de saber um pouco mais da história e caminhada até o (inegável) sucesso desse outrora vendedor de melões. 😉

  5. Lucas Mininel disse:

    Concordo nos pontos abordados. Um cara que sempre teve uma personalidade forte e não escondeu e nem omitiu suas opiniões. Vencedor de tudo que disputou, sempre com ousadia e alegria, mostrou seu lado humano diversas vezes.

    Como o Gabriel disse, deveríamos valorizar mais pessoas assim aqui no Brasil, deixando um pouco nossa arrogância de lado, até porque se fosse algum europeu, ele seria admirado por tudo.

  6. sei nao no futebol italiano eles valorizam muito o setor defensivo e ele e um nda na defesa alem d ser um malA.. mais tomara q de sorte la tera d jogar muito pra aparecer nao e o barcelona cheio d estrelas mas e uma exelente equipe a velha senhora

  7. Lucas Mininel disse:

    Li atentamente alguns pontos desse post e concordo com a Sarah e com o Gabriel. O tratamento egoísta e sempre diminutivo do brasileiro em relação aos que podem e devem ser valorizados, faz com que seu povo também se diminua.

    O que foi abordado está de forma direta e efetiva, mostrando a questão de Daniel Alves no Barcelona. E lá meu amigo, não tem como negar, o cara participou de uma revolução. Não a toa nomes de peso pelo mundo como Iniesta, Xavi, Puyol e outros mais afirmam a importância dele.

    Agora voltando ao que foi suposto…Sabemos se ele tem alguma fundação social? Sabemos sobre qualquer colaboração específica? Muitas vezes isso não é nem divulgado.

    Sobre a seleção, um cara importante, que abriu a boca e falou sobre tudo, sobre todos os esquemas possíveis ali dentro. “AH MAS NÃO GANHOU UMA COPA”….o Messi, admirado acima, também não, e temos diversos exemplos de jogadores que não conseguiram chegar a este nível máximo em termos de títulos.

    Resumindo, creio que devemos considerar o que falar, ler, e saber interpretar o que se diz. Opiniões são opiniões, e tudo deve ser respeitado, mas que seja feito de maneira correta e coerente.

    Ótimo texto Sarah!


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados