W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Sem “oba-oba”, Palmeiras pode crescer. Mas há de se ter paciência

Paciencia - Lance

Créditos da imagem: LANCE!NET

Passada a empolgação com a vinda do pomposo diretor Alexandre Mattos ao Palmeiras e a baciada de reforços por ele contratada, penso ser o momento de reflexão sobre as perspectivas da equipe alviverde na temporada.

De cara, ressaltaria a importância de desmitificar a figura do badalado dirigente vindo do Cruzeiro, pois, em que pese ter ele realizado um bom trabalho em terras mineiras, erros foram cometidos e o mérito do sucesso a ele atribuído parece um tanto exagerado.

Por exemplo: Everton Ribeiro e Ricardo Goulart, os craques cruzeirenses em 2013 e 2014, foram indicações pessoais do técnico Marcelo Oliveira (com o primeiro trabalhou junto no Coritiba e o segundo foi pedido pelas boas atuações no Goiás). Certamente, a habilidade e a perspicácia de Mattos foram determinantes para a conclusão das negociações, mas o “olho clínico”, o mérito maior, inegavelmente foi do treinador. De qualquer modo, ponto para ambos, já que os atletas renderam esportiva e financeiramente ao clube e cada um fez a parte que lhe cabia no negócio. Por outro lado, Júlio Baptista, um dos jogadores mais caros do país (!), também foi contratado pelo então diretor celeste e até hoje é um problema para a equipe. Não teria sido esta uma contratação exagerada, descabida e financeiramente temerária?

Resumindo: o sujeito pode ser bom, mas é humano e falível. E não é milagreiro.

Bom, tratemos agora da montagem do elenco do Palmeiras para a atual temporada. Virou quase senso comum que o grupo de jogadores do alviverde é de primeira categoria, com dois a três jogadores qualificados por posição. Será verdade? Um ataque titular formado pelos pouco expressivos Dudu, Rafael Marques e Leandro Pereira corrobora essa afirmação? Vá lá que Arouca, Cleiton Xavier e Zé Roberto sejam de fato contratações de primeiro nível e que Gabriel e Robinho estejam se confirmando como boas apostas, mas o resto é perfumaria e a mim não convence (afinal, quem são Jackson, Alan Patrick, Kelvin, João Paulo, Amaral, Ryder, Andrey Girotto e cia?). É como se o simples fato de estarem no “pacote” de Alexandre Mattos lhe dessem um atestado de qualidade que, no entanto, é ilusório.

Sem falar no disputado Dudu, um jogador de bom drible e arisco, mas que no último Brasileiro, atuando em 35 partidas pelo Grêmio, fez apenas três gols, média de 0,08 por partida. Será que tem potencial para ser “o” cara que o Palmeiras imaginou por ocasião de sua contratação? Até agora não foi.

Erros e acertos à parte, o que choca é ver grande parte da imprensa caindo no “oba-oba” da torcida e até apontando o time como o maior favorito ao título do Brasileirão. Algo nada razoável, pra dizer o mínimo.

De qualquer forma, a espinha dorsal do Palmeiras está formada e o time já conseguiu até pular algumas etapas e disputar a final do Paulista, tendo sido derrotado nos pênaltis pelo atrevido Santos de Lucas Lima e Robinho.

Que o bem sucedido (pelas circunstâncias) vice-campeonato não se transforme em imediatismo, empolgação e até afobação pelo lado verde. Que clube, torcida e imprensa tenham paciência e não deixem evaporar aquilo que de bom o Palmeiras já conseguiu na temporada: o aumento exponencial do programa de sócio-torcedor, os grandes públicos no novo estádio e o resgate da autoestima.

Com alguns ajustes e substituições de peças (a saída de Valdívia, caso se confirme, fará um bem danado à estabilidade do clube), o Palmeiras naturalmente – e não na marra – pode crescer.

E segue o jogo.

Como não admirar "El Apache" Carlitos Tévez?
Tríplice coroa do Barcelona: Primeiro passo dado

Escrito por:

- possui 223 artigos no No Ângulo.

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Entre em contato com o Autor

3 respostas para “Sem “oba-oba”, Palmeiras pode crescer. Mas há de se ter paciência”

  1. Pra crescer tem que mandar o Osvaldo embira

  2. Alisson Paiva disse:

    Concordo em gênero, número e grau!

  3. Jose Leite disse:

    So cresce se contratrar jogadores bons.qualidade,nao quantidade.


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados