W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Sport, Goiás, Atlético-PR e Ponte começam bem. Mas até onde podem chegar?

ponte_preta_guto_ferreira-590784-51818e2476a39

Créditos da imagem: Edu Fortes/AAN

Passadas as três primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro, já é possível constatar algumas gratas surpresas. Entre os cinco primeiros colocados, três equipes chamam atenção: Sport, Goiás e Atlético-PR. Logo atrás, em sétimo (mas tendo disputado jogos mais complicados), a Ponte Preta.

Penso que seria prematuro considerar somente a colocação das equipes na competição para qualquer projeção, já que há um longo caminho a ser percorrido e equipes fortes como Cruzeiro e Internacional sequer têm escalado os seus melhores jogadores, vez que priorizam a disputa da Copa Libertadores. Sem falar nos clubes como São Paulo, Fluminense, Flamengo e Grêmio, que estão trocando de técnicos com o torneio em andamento (algo que nem choca mais, pois já estamos “anestesiados” com a bagunça instalada em nosso futebol) e no mercado de jogadores, tradicionalmente aquecido pela janela européia do meio do ano.

De qualquer modo, os jogos do começo do campeonato têm a mesma importância dos jogos do fim e certamente ajudarão muito na sequência das equipes na temporada. Como bem apregoa o mais badalado treinador do mundo, Pep Guardiola, as primeiras rodadas de um torneio de pontos corridos normalmente definem o destino dos clubes no resto da competição.

Bom, isto colocado, tratemos agora de cada equipe:

O Sport acabou decepcionando no primeiro semestre, quando foi eliminado do Campeonato Pernambucano e da Copa do Nordeste. A ponto do técnico Eduardo Batista e o craque do time, Diego Souza, chegarem a ser questionados pela própria torcida. Porém, o Leão reagiu e agora tem se mostrado forte – está invicto no Brasileirão – e tem realizado boas partidas. O “fator casa”, que tradicionalmente pesa por aquelas bandas – já são vinte e um jogos de invencibilidade jogando no seu campo – tem sido fundamental para a boa campanha (vitórias contra Figueirense por 4×1 e Coritiba por 1×0 em Pernambuco e um empate amargo contra o Flamengo, fora de casa, quando chegou a abrir 2×0 de vantagem). Além do já mencionado Diego Souza, a equipe conta com outros atletas gabaritados, como Magrão, Durval, Hernane e o recém contratado Maikon Leite, e seguindo o embalo nos jogos em casa, pode pensar – quem sabe – em voltar à Libertadores.

O Goiás é outra equipe que está fazendo um ótimo início de campeonato. Com os mesmos sete pontos do líder Sport, a equipe de Goiânia conseguiu dois bons resultados com o mando adversário. Na primeira partida, jogando fora de casa, segurou um empate sem gols contra o Vasco. Já na segunda rodada, conseguiu fazer valer o fator campo e obteve uma bela vitória sobre o Atlético Paranaense, por 2×0. Neste último domingo, um feito importantíssimo para a sequência do campeonato: vitória, fora de casa, em cima do badalado Palmeiras. Ter sido campeão do Campeonato Goiano não poderia servir de parâmetro, porém até o momento o time está dando sequência ao convincente início de temporada e vai evidenciando a impressionante química do clube com o treinador Hélio dos Anjos. No entanto, com uma equipe um tanto jovem, deve oscilar na competição e, se conseguir revelar novos talentos (Erik, a revelação do ano passado, comanda o time atual) e ficar na parte de cima da tabela, a missão estará cumprida. Por fim, importante ressaltar o trabalho da diretoria do Goiás, que fechou a sua porta aos maus empresários, os quais tornaram-se personas-non-gratas no clube e instituiu novo teto salarial aos jogadores do clube de “apenas” cinquenta mil reais por mês. Tomara que vá bem e sirva de modelo.

Já o Atlético Paranaense, após um pouco promissor início de ano (demitiu Enderson Moreira com apenas um mês de trabalho), contratou o gordinho bom de bola Walter e, assim como o Sport, tem jogado bem quando mandante. Alguns especialistas dizem que uma das fórmulas para fazer uma boa campanha é não perder pontos em casa, independentemente do adversário.  E isso a equipe do Paraná faz muito bem. Jogando em sua Arena, o Furacão sabe fazer a diferença, explorando o entusiasmo da sua fanática torcida. Na primeira rodada, uma vitória tranquila por 3×0 contra o time reserva do Internacional. Jogando fora de casa, pela segunda rodada da competição, não conseguiu fazer frente ao Goiás: derrota por 2×0. Nesse último final de semana, mais uma vez o fator campo ajudou. Uma vitória até certo ponto surpreendente sobre o poderoso xará de Minas, considerado um dos favoritos ao título (1×0). De qualquer modo, em que pese esse bom início, penso que o clube paranaense deve ficar satisfeito caso consiga manter-se na Série A sem maiores sustos. O time é fraco e muito dependente do talentoso, mas inconstante Walter.

Finalmente, não podemos deixar de citar o envolvente time da Ponte Preta. Impressionante como a equipe é bem organizada taticamente pelo seu ótimo treinador, Guto Ferreira (foto). Com um ataque rápido (Rildo e Biro-Biro são modernos e ariscos) e com talentos individuais que chamam a atenção (Renato Cajá continua jogando o fino da bola), a equipe teve uma tabela ingrata nesse início de competição, mas ainda assim conquistou dois bons empates fora de casa, contra os fortíssimos Grêmio (3×3) e Cruzeiro (1×1), além da vitória em seu estádio contra o São Paulo (1×0). Três duros adversários e cinco suados pontos conquistados. O ótimo trabalho no Paulistão, quando derrotou o campeão Santos e o vice Palmeiras, além de ter sido desclassificado pelo Corinthians em um jogo marcado pelo gritante erro de arbitragem que a prejudicou, vem sendo confirmado no Brasileiro. As perspectivas são muito boas e o time não deve sofrer para permanecer na Série A. Com sorte, quem sabe até não consiga algo maior.

Que role a bola.

A Fiel não deve repetir o histórico de conflitos com ídolos também com Guerrero e Sheik
Redações em polvorosa: o Flamengo vai contratar

Escrito por:

- possui 38 artigos no No Ângulo.

Administrador de empresas em São Paulo, é também jogador nas horas vagas. Amante da redonda, acredita no poder do futebol em agregar as pessoas, aproximar os amigos e unir a família. Com ele, a resenha está garantida.


Entre em contato com o Autor

5 respostas para “Sport, Goiás, Atlético-PR e Ponte começam bem. Mas até onde podem chegar?”

  1. Pelo jeito vai ter mais um time grande sendo rebaixado

  2. Caio Bellandi disse:

    Não é raro esse fenômeno de times menos badalados começarem bem. A Ponte, inclusive, é useira e vezeira disso – e de despencar depois. Acredito ser água.

    Se fosse pra apostar em alguém, apostaria no Atlético, mesmo chegando no Brasileiro aos trancos e barrancos, foi campeão nacional e tem um fator casa que é um dos mais, ou não o mais, relevante do país.

    Goiás deverá fazer aquela campanha à la Goiás mesmo, como no ano passado, segura, sem pensar alto, mas satisfeito em não lutar pra não cair.

    O Sport começou assim ano passado também e caiu de produção. Tá mais encorpado, mais experiente e mais qualificado, pode ser que faça campanha de alto da tabela mesmo, e com alguma sorte e incompetência de outros, tente beliscar uma Libertadores.

  3. 87/2015 responde a pergunta?


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados