W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Tigres não perdoa as falhas do Inter e massacra em Monterrey – A semifinal foi decidida ainda no primeiro jogo

8CC2C36128133DBE305C38F35F1124E5

Créditos da imagem: goal.com

A foto da coluna corresponde aos dez minutos de puro controle colorado no primeiro jogo da semifinal. Dois a zero no placar diante de um Tigres forte, mas sem ritmo de jogo. Talvez entre os 180 minutos da decisão, somente naqueles míseros dez do Beira-Rio o Inter conseguiu ser aquilo que todos esperavam.

Pois, no contexto geral, o que se viu foi uma equipe sem inspiração e displicente em determinados momentos – principalmente na partida no México. Partida esta que só um time jogou: o Tigres.

A mudança para a linha de três no meio pode ter contribuído, mas as dificuldades em Monterrey foram anunciadas ainda no segundo tempo lá em Porto Alegre, quando, com um a mais em boa parte do tempo, o Inter não conseguiu aumentar sua vantagem no placar.
tigxint_POSICIONAMENTO 1

O Tigres manteve o 4-4-2 enquanto o Inter variou para o 4-2-3-1

Valdívia e Lisandro nos corredores sem conseguir jogar, D’Alessandro encaixotado na marcação dos dois volantes mexicanos e Nilmar isolado. Passes errados (26 no primeiro tempo), time sem transição e desvantagem no duelo da qualidade individual.

Rafael Sóbis flutuando e deslocando a defesa colorada nas costas de Rodrigo Dourado, além de Aquino e Damm fazendo a festa nas costas de William e Geferson. Desorganização colorada.

Volta de escanteio e Damm, recebendo marcação de Geferson, recebe passe de Jiménez, e ainda assim encontra espaço para cruzar para Gignac marcar o primeiro gol mexicano. Defesa invertida, espaço nos flancos.

primeiro gol do tigres

Flagra do primeiro gol do Tigres. Ernando e Juan invertidos, William sozinho na marcação de Gignac

Terminar o primeiro tempo perdendo por 1×0 e precisando marcar um gol não seria tão desmotivador. Alguma correção seria feita no vestiário e o Inter poderia voltar melhor, mas o segundo gol desestabilizou tudo. Geferson protagonizou um dos lances mais bizarros da Libertadores ao marcar o inesperado gol contra.

Os jovens do Inter começaram a sentir o peso de uma Libertadores. Faltou liderança e experiência dos mais rodados.

Aguirre tentou mudar. Começou o segundo tempo com D’Alessandro aberto pelo lado e Valdívia centralizado. Quis dar ímpeto a equipe com a entrada de Eduardo Sasha. Viu William e Geferson cada vez mais entregues a Aquino e Damm.

Jogada pelo lado esquerdo, pênalti para o Tigres. Sóbis – por razões óbvias, que má escolha para a cobrança! – bateu e perdeu. Poderia ser o gás necessário para o Inter ir pra cima e conseguir seu gol, mas Damm fez mais uma jogada de linha de fundo e cruzou para Arévalo Rios, que, sozinho, fez o terceiro de cabeça.
terceiro gol do tigres

Espaço que Arévalo Rios teve antes do cruzamento de Damm

O Tigres diminuiu naturalmente o ritmo e viu o Internacional tentar algo mais. Cedeu posse de bola aos colorados. Na base do abafa, já com três atacantes (Rafael Moura e Alex entraram), o time gaúcho diminuiu com Lisandro. Mas já era tarde.
tigxint_POSICIONAMENTO 2

Sasha e Lisandro espetados, Rafael Moura centralizado e R. Dourado improvisado de zagueiro; Inter terminou no 4-3-3

Tigres na final inédita da Libertadores e River Plate já no Mundial (já que a vaga mexicana é “via Concacaf”). O time mexicano eliminou o brasileiro que “só jogou” os primeiros 10 minutos de toda a semifinal. Foi engolido pela qualidade do adversário e viu perder a chance do tri da Libertadores.

Resultado justo.

Palpites da 15ª rodada do Brasileirão 2015
Tem mulher no futebol

Escrito por:

- possui 15 artigos no No Ângulo.

Estudante e músico, é apaixonado por futebol nacional e internacional. Residente em Campina Grande, esse paraibano se interessou por tática e padrões de jogo logo aos 13 anos de idade.

Entre em contato com o Autor

5 respostas para “Tigres não perdoa as falhas do Inter e massacra em Monterrey – A semifinal foi decidida ainda no primeiro jogo”

  1. Sou colorado e concordo. Porém, o sentimento é de que o Inter perdeu pra ele mesmo, que poderíamos ter chegado à final. Primeiro: As falhas defensivas do primeiro jogo não foram corrigidas.
    Segundo: O treinador insistiu com Lisandro e Nilmar na frente.
    Terceiro: Sasha ficou no banco e quando entrou quase fez um gol e ainda deu assistência pro gol.
    Quarto: A proposta de jogo do Inter foi se defender, e time que entra pra segurar, perder. Lei máxima do futebol.

    A sorte estava do lado do Inter. A sorte e um goleiro chamado Alisson, mas nem assim o Inter teve competência para passar para a final da LA.

    • Adriano Motta disse:

      Concordo, Vinícius. Creio que o Inter poderia ter mantido o 4-4-2 e tentado impor o ritmo dos 10 minutos iniciais em Porto Alegre. Variação, seja de intensidade, como na tática seria importante. Vide o jogo contra a LA U, ainda na primeira fase, que, para mim, foi o melhor jogo do Colorado fora de casa na Libertadores. Abraços!

  2. 3×1 parecia o Mazembe


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados