W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Xavi, o Operário Rei

750653_w2

Créditos da imagem: pt.uefa.com

Xavi se foi do Barcelona. Sim. Foi possível. Parecia que não seria, nunca. Raras vezes se viu um jogador tão absorvido dentro de um clube. Xavi se encaixava com tanta perfeição no esquema tático do Barcelona que dominou os últimos anos que é muito difícil afirmar que foi somente ele que deu certo lá dentro. Não. Às vezes eu acho que foi o Barcelona que deu certo sob Xavi. O baixinho meia de recepção de bola perfeita, toques de primeira ou com tempo inútil de respiração e passes robóticos, curtos ou longos, mas sempre perfeitos, personificou a realização de um sonho de jogo perseguido há muito por muitos blaugranas. O futebol de operários-craques, no qual a destoância está na combinação coletiva, e raramente no individual. Deste sonho também surgiu um produto que combina tudo o que Xavi apresentou com sua técnica soberba, mas acrescido de genialidade para individualismos: Messi.  Mas eu não vou falar de Messi. Chega. Nem a final da Champions quis falar dele. Desprezou seu nome no placar final, algo hoje em dia até ofensivo para o argentino.

É trabalho duro pinçar uma origem neste fenômeno que foi o Barcelona com Xavi, especialmente depois da saída de Ronaldinho do clube – falo do time de onze em um só em campo. Quem começou, Xavi ou o clube catalão? Um era a cara do outro. O meia era o rei entre todos os súditos de um time que, às vezes, precisou de gênios pra vencer. Mas nem sempre. Quase o mesmo time disputou a Copa de 2010 com a camisa da Espanha, mas sem os gênios, e a venceu.

Todo coletivo tem seu principal representante, todo país tem seu embaixador, toda época tem seus ícones. Pois Xavi sempre será a assinatura, não do Barcelona, mas deste Barcelona lunaticamente formidável em desejar a posse de bola, tanto que às vezes até mais do que em correr para os gols. O Barça dos operários geniais. Mas operários. Agora explico: Xavi não foi gênio. Foi um bom jogador, que amou e foi amado por seu clube. Impôs suas virtudes e as fez valer no esquema de jogo. E o Barcelona impôs em Xavi sua classuda, mas sobretudo autêntica filosofia para a formação de jogadores.

Xavi chega para ganhar dinheiro com conforto no Catar e o Barcelona ganhou a Champions dependendo pouquíssimo dele em campo. Mas pouco importa. Se me entendem, este Barcelona dá adeus a Xavi e agradece a ele. Xavi dá adeus e agradece ao Barcelona. Com seu desligamento, morrem ambos. Mas persiste a esperança de que o legado deixado no Camp Nou se perpetue. Que El Barça esteja impregnado de Xavizinhos em La Masía.

Vai começar a Copa América: Brasil é o favorito e Neymar o principal candidato a craque
Palpites da sétima rodada do Brasileirão 2015

Escrito por:

- possui 24 artigos no No Ângulo.

Portoalegrense de nascimento e residência desde sempre, é administrador de empresas e tem como dois de seus principais hobbies o futebol e a escrita. É neste espaço que essas paixões poderão se unir: a leitura da bola através da riqueza da palavra.


Entre em contato com o Autor

Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados