A história prova que é possível acreditar em Paulinho, desde que…

Créditos da imagem: Pedro Martins / MoWA Press

O ano de 2017 tem sido de Paulinho. Além de ter se tornado um dos grandes pilares da seleção imbatível que se tornou o Brasil, o volante ainda foi contratado a peso de ouro por um dos maiores clubes do mundo, o Barcelona.

Paulinho é um dos maiores exemplos de superação no futebol atual. Desacreditado após andar por todo o Leste Europeu, chegou em 2010 ao Corinthians como desconhecido, após se destacar pelo Bragantino, e, com o passar do tempo, caiu nas graças de Tite e, claro, da Fiel Torcida.

Com o destaque, virou também homem de confiança de Felipão para a Copa das Confederações de 2013, quando foi considerado o terceiro melhor jogador do torneio, e chegou à Copa, em 2014, com status de um dos grandes jogadores brasileiros, contando também, naquele momento, com a confiança da torcida Canarinho.

Entretanto, entre o final de Copa das Confederações e o inicio da Copa do Mundo, Paulinho passou pelo momento mais difícil de sua carreira. Contratado e apresentado com pompa pelo inglês Tottenham, nunca caiu nas graças do treinador, o argentino Maurício Pocchetino, que se tornou desafeto declarado do brasileiro.

Sem espaço, foi à China tentar encontrar seu bom futebol – além de, claro, milhões e milhões de cifras de dólares. Novamente com a confiança de Luiz Felipe Scolari, tornou-se um dos melhores e mais constantes jogadores do Campeonato Chinês, gabaritando-se a retornar à Seleção Brasileira já como titular, no primeiro jogo do então novo treinador Tite.

Com a confiança de Adenor, Paulinho se tornou novamente um pilar da Seleção Brasileira e de lá nunca saiu. Depois de Neymar, é o nome mais certo na Copa do Mundo da Rússia, mesmo que não mantenha nesta temporada o nível e o protagonismo que teve nos últimos anos atuando no milionário futebol chinês.

Após mais uma grande partida pela Seleção, Paulinho terá a oportunidade de conquistar uma das torcidas mais exigentes e apaixonadas da história do futebol.

A desconfiança foi carta certa desde que o Barça anunciou o interesse em contratá-lo. Nada que Paulinho já não esteja acostumado a superar. Entretanto, a história prova que, apesar de ser possível acreditar em seu potencial, há um fato fundamental para que o volante se destaque e ganhe notoriedade na Espanha, assim como foi na maioria dos times pelos quais passou.

Paulinho, claramente, precisa contar com a confiança do treinado para render. Não é daqueles jogadores que saem do zero e buscam espaço. É daqueles que precisam de chance e da clara percepção de que seu treinador está contigo. Quando não contou com seu apoio, não resistiu – foi assim no Tottenham -, mas quando contou, foi um dos melhores de seu time – tanto no Corinthians, quanto no Guangzhou Evergrande e na Seleção Brasileira.

Logo, o sucesso de Paulinho no Barça não passa pelos pés de Messi, Suárez, Iniesta ou Piqué, mas sim pelas mãos de Ernesto Valverde. Foi ele quem pediu a contratação do brasileiro e tem mostrado, repetidamente, confiança em seu trabalho.

Valverde deverá ser paciente e ter máxima confiança em seu novo comandado, caso queira vê-lo render com a camisa blaugrana. É o caminho certo para o volante canarinho, mais uma vez, surpreender o mundo do futebol.

Confiança é importante na vida. Para Paulinho, é fundamental!

11 comentários em: “A história prova que é possível acreditar em Paulinho, desde que…

  1. Já fui ridicularizado quando disse isso, mas para mim o Paulinho é o maior volante brasileiro desde o Falcão! Nenhum outro foi tão determinante para seus times em competições e conquistas de tão alto nível. Quando está confiante, como você disse, é jogador de primeiro nível mundial, que pode ser decisivo em qualquer tipo de jogo.

    Quando não dá certo, como no Tottenham, é porque não se sentiu confortável e confiante, não por falta de bola…

    1. Se restringir a volante (mais defensivo)concordo com você, Gabriel. Meias acho que tivemos melhores. Mas acho Casemiro mais jogador defendendo. O ponto de Paulinho é que ele é completo, e faz o tal do “elemento-surpresa” como ninguém. Enfim, não acho absurdo nenhum chamar o único jogador brasileiro DA HISTÓRIA a fazer um hat-trick no Centenário de maior volante desde Falcão rs

    2. Oi, Gabriel!
      Apesar de todas as suas limitações e controvérsias, acho que o Dunga foi muito mais jogador do que o Paulinho é (e será!).
      E, até que ganhe uma Copa como titular – e jogando bem! – acho que o Paulinho está atrás também dos dois Silva volantes campeões mundiais – o Mauro e o Gilberto.

      1. Hummmm, mas aí você está considerando quem foi “melhor” ou quem tem mais títulos? Porque eu realmente não consigo ver nada de superior nesses jogadores em relação ao Paulinho, a não ser o fato de terem sido campeões mundiais…

        1. Considero que o Dunga, o Mauro Silva e o Gilberto Silva, especialmente o primeiro, foram melhores – jogaram mais bola! – que o Paulinho… embora eu reconheça que a contribuição que eles deram para suas equipes ganharem títulos importantes teve algum peso na minha avaliação.

  2. Trata-se de um belíssimo jogador. Tomara que arrebente no Barcelona e ganhe o reconhecimento que o seu futebol merece!

  3. Boa percepção histórica Gabriel. O duro é que Paulinho vive com uma rejeição histórica e até estranha. Na época de Neymar, foi o segundo melhor jogador do país (o que na pratica é o primeiro, visto o nível do atacante então santista).
    Tomara que dê certo no Barça

  4. Thiago Maia, quando voltar para um time de ponta, mas que não dependa exageradamente dele para a consistência do sistema defensivo, podendo assim sair muito mais para o ataque e fazer o elemento surpresa, vai colocar o Paulinho no bolso.

Deixe uma resposta para Vinícius Bessi Cancelar resposta