O que Hitler tem a ensinar – ainda hoje – ao presidente do Galo, Daniel Nepomuceno?

Créditos da imagem: Rafael Araújo

Adolf Hitler é, sem dúvida, o maior tirano que a humanidade já viu. Mas no auge de seu comando político-militar alemão e na busca pelo domínio europeu, Hitler negou a história, invadiu a União Soviética e foi derrotado pelo frio, quase que identicamente ao ocorrido com Napoleão Bonaparte séculos antes no comando da França.

Guardadas as devidas proporções, o Galo acaba de anunciar como técnico Oswaldo de Oliveira. Nada contra o treinador, mas a temporada de 2017 do Atlético se identifica muito com a do Corinthians em 2016. Início de ano badalado com vaga na Libertadores, mas sequência com eliminações, trocas de técnicos (aqui a única diferença, pois Tite saiu para a Seleção, enquanto Roger foi demitido), contratação de treinador pouco vitorioso e sem compreensão do estilo de jogo da equipe para, por fim, numa nova troca, terminar o ano com o conhecido Oswaldinho.

Assim como o Corinthians do ano passado, o Galo acaba de encerrar ambições maiores no campeonato. Se fosse gestor como um cartola realmente deveria ser, Nepomuceno saberia que a escolha de Oswaldo de Oliveira fechou da pior maneira possível a temporada do rival paulista no ano passado. Mas como não é, faz do Atlético o Corinthians dessa temporada.

Hitler certamente diria a Daniel que os livros de história não estão aí apenas para pegar poeira, mas sim como um norteador daquilo que se deve ou não se deve fazer.

Felizmente, Hitler não pode dizer isso. Infelizmente, o futebol brasileiro é tão mal gerido quanto uma nação falida indo à guerra.

5 comentários em: “O que Hitler tem a ensinar – ainda hoje – ao presidente do Galo, Daniel Nepomuceno?

  1. O QUE FAZ ALGUÉM CONTRATAR OSWALDINHO?

    É INACREDITÁVEL!

    NÃO DUVIDO QUE O GALO CAIA, ESTÁ SEGUINDO O ROTEIRO DIREITINHO RUMO À SÉRIE B!

  2. Juro, esse é o tipo de contratação que eu simplesmente não entendo!!!!!!!!!!!!!! Pega o Waldir Espinosa, pega o Fernando Diniz, pega um gringo qualquer, PEGA O CELSO ROTH, mas não pega o Oswaldinho!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  3. Não seria melhor deixar um auxiliar? Aliás, vários clubes já conseguiram ótimos resultados com os assistentes no comando em situações como essas, como o Botafogo com o Jair Ventura, o Flamengo com o Zé Ricardo, o Palmeiras com o Alberto Valentim, e mesmo o Corinthians com a pequena experiência do Carille em 2016.

    Por que o Atlético nunca se permite isso?

Deixe uma resposta para José Gomes Leal Cancelar resposta