Ou vai, ou racha: a difícil missão da tão propalada “Geração Belga”

Créditos da imagem: Daily Mail

A informação sobre alguns feitos do futebol belga é do colega Ubiratan Leal, dos canais ESPN:

1) Bélgica x Alemanha Ocidental nas SEMIFINAIS da Eurocopa de 1972;
2) Liverpool x Brugges na FINAL da Copa dos Campeões (atual Champions League) de 1978;
3) Bélgica eliminando a Inglaterra para chegar às FINAL da Eurocopa de 1980;
4) Bélgica eliminando a União Soviética na caminhada até a SEMIFINAL da Copa de 1986;
5) Mechelen campeão da Recopa europeia de 88 em cima do Ajax.

Hummmm, okay. Se o acima exposto demonstra que a Bélgica não é uma nanica no futebol, vamos combinar que ela tampouco deve estar inserida na galeria das grandes seleções.

Tradicional escola de goleiros – que tem em Preud’homme o seu maior expoente – e berço de alguns ótimos jogadores, os belgas definitivamente precisam de uma conquista contundente.

E é grande a responsabilidade de sua atual geração – liderada por Courtois, De Bruyne, Hazard e Lukaku -, principalmente se considerarmos o nível decepcionante de atuação das referidas estrelas nas derrotas para a Argentina na Copa de 2014 e Gales na Euro 2016 (e agora na “quase derrota” para o Japão, em território russo).

Veja, além do simples fato de enfrentar o Brasil – o que, por si só, já representaria uma dificuldade seja qual fosse o nosso time -, a Bélgica enfrentará a “Seleção de Tite”.

E sabe o que isso significa? Pois bem. Em 26 jogos com o treinador, o Brasil só possui uma derrota (sem Neymar em campo, no amistoso contra a Argentina). Foram 56 gols marcados e 6 sofridos (isto é, a Seleção sofre menos de um gol a cada quatro partidas disputadas).

É muita consistência, a ponto de Alisson, ainda bem (!), quase nunca ser testado.

De maneira que não será fácil para a molecada boa de bola da Bélgica conseguir elevar o patamar da seleção de seu país.

Acho que ficará para uma próxima vez…

E segue o jogo.

Em tempo: resultado pode não ser tudo, mas é muita coisa.

16 comentários em: “Ou vai, ou racha: a difícil missão da tão propalada “Geração Belga”

  1. Bom dia Fernando!
    Em pouco tempo, pouco treinamento Tite deixou a seleção brasileira com a sua cara. Vejo a seleção jogando , ao menos no sistema defensivo, com o Corinthians da era Tite. Um time no primeiro tempo e outro no segundo. O ataque demora um pouco (1 tempo) pra engrenar, enquanto isso a defesa segura muito bem. Ele faz os ajustes no vestiário e o time decide no 2 tempo.
    Ele cansa o adversário no tempo inicial e com mais gás define no segundo.
    Estou vendo dessa maneira!

    1. Bom dia, Sergio Ricardo Pompeo. Hum, será que você não está sendo induzido pelo que aconteceu no jogo contra o México? No geral, vejo equilíbrio de desempenho nos dois tempos da Seleção. E mesmo no primeiro tempo de ontem, quando o México até conseguiu fazer uma blitz ofensiva, esta não resultou em chances efetivas para a equipe mexicana. O Alisson mal trabalhou no jogo… No sentido de CONSISTÊNCIA DEFENSIVA, aí sim, a Seleção Brasileira faz lembrar o Corinthians de Tite. Times extremamente competitivos. Valeu, abraços.

  2. Tem os títulos europeus do Anderletch também heim. É um time bem vitorioso no cenário continental.

    1. “Durante a disputa da medalha de ouro entre Bélgica e Checoslováquia, a equipe checa em protesto contra a arbitragem abandonou o jogo aos 43 minutos com o placar de 2-0 para a Bélgica. Com a atitude a Checoslováquia acabou desclassificada do torneio e a Bélgica ficou com o ouro”.

  3. Concordo. Para entrar nessa galeria, TEM que ganhar algo grandioso. Sob pena de ficar com essa pecha de seleção mediana com alguns bons jogadores.

  4. Vou resgatar uma frase antiga , porém atual o jogo é jogado e lambari é pescado. Uma coisa é certa quem teme perder , já está vencido e tenho certeza que isso não passa por ambas as equipes. O futebol belga é sim algo para que o Brasil se preocupe , que tenha cautela que fique focado o jogo todo. Temos jogadores excepcionais eles não ficam atrás. Querer desmerece los com a falta de conquistas recentes , não os tornam um obstáculo menos difícil para a nossa seleção. Tenho certeza que deste jogo sairá o atual campeão mundial e espero que seja a nossa seleção .

    1. Eu tô achanho os torcedores e os jornalistas confiantes demais. O Brasil é favorito, mas não é tanto assim. Os belgas são habilidosos, experientes, jogam bem coletivamente e possuem bom técnico e bons reservas. É jogo equilibrado. Copa passada saíram contra a Argentina em um jogo dificílimo, foi 1×0 com a Bélgica procurando o empate até o final.

  5. Lembro muito nos anos 90, antes da globalização, Internet, tv paga, que quase todo domingo tinha gol do brasileiro naturalizado belga “Oliverra”…. Lembram????

Deixe sua opinião e colabore na discussão