“Série B da Libertadores”: vivemos a era do desmerecimento

Créditos da imagem: UOL

O Atlético Mineiro não faz mais parte da Copa Sul-Americana. Depois de perder fora de casa para uma escalação alternativa do San Lorenzo, entrou em campo com um time totalmente reserva, não conseguiu sequer sair do zero com o clube do Papa, em pleno Horto, e deu adeus à competição internacional.

Tragédia? Para seu presidente, definitivamente não!

Sérgio Sette Câmara, principal mandatário do Galo, justificou a escalação reserva com a desculpa de que a Sul-Americana é “a série B da Libertadores”.

Desculpa esfarrapada para quem foi eliminado precocemente na competição.

Ou então, por que na Argentina, o Galo foi com o time completamente titular, com suas principais estrelas, em busca da vitória e da classificação?

Desclassificado, o torneio já não vale mais nada.

Como fez Galiotte, presidente do Palmeiras, ao chamar o estadual de Paulistinha após muito se esforçar para levantar o caneco, Sette Câmara erra feio e demonstra que, no Brasil, cartola pode entender de tudo, mas de futebol não sabe nada.

Não se discute que a Sul-Americana tem menos peso e importância que a Libertadores. Mas se desfazer de uma competição internacional é um erro crasso que um clube, como o Atlético-MG, que busca projeção internacional inédita em sua história, não se pode dar ao luxo.

Por comparação, basta ver que o atual campeão da Liga Europa é o todo poderoso Manchester United, maior campeão inglês e tri campeão da Champions League. A vitória da temporada passada colocou o United novamente no caminho das vitórias internacionais, após um breve período de desaparecimento em fases de disputas de títulos.

Além disso, a atual final conta com o Atlético de Madri, duas vezes finalista da Champions nos últimos cinco anos.

Aliás, se o xará espanhol está na fase que está, como uma potência em competições internacionais, o início dessa força veio exatamente de boas participações na Liga Europa, a qual o clube venceu em 2009 e 2011, dois anos antes de voltar à final da principal competição de clubes do mundo.

O Galo deveria se espelhar neste caso. Mesmo que pela Sul-Americana, vencer um confronto contra um também campeão da Libertadores daria bagagem internacional ao clube. Ser campeão da Sul-Americana, daria experiência ao elenco e ao treinador para no ano seguinte buscar novamente o principal título continental, o qual o clube só foi conseguir quase 40 anos depois do primeiro título do maior rival, o Cruzeiro.

Mas não. É melhor escalar reservar, fingir desdém após a derrota e deixar o clube ainda mais inexperiente em competições internacionais.

Ou seja, para o presidente do Galo, a “série B continental” serve para Manchester United, para o Atlético de Madrid, mas pouco vale no lado alvinegro de Belo Horizonte.

Vale lembrar que o Galo corre risco de eliminação na Copa do Brasil. Já no Brasileiro, apesar de em seu início, ainda não deu mostras de que pode brigar pelo título. Com a queda na Copa Sul-Americana, pode ser que em setembro o clube já não tenha mais pelo que brigar.

Será mais uma temporada em branco.

A era do desmerecimento está aí para servir de muleta aos que não entendem de futebol.

Espécie comum dentro do próprio esporte.

9 comentários em: ““Série B da Libertadores”: vivemos a era do desmerecimento

  1. Também achei um erro Galo jogar com os reservas. Os titulares teriam conseguido a vaga e o título da Sul-americana daria visibilidade internacional ao Atlético.
    Mas acho bom esclarecer que esse caso é bem diferente do que aconteceu com o Palmeiras. O Galiotte, presidente do Palmeiras, não desmereceu o estadual de maneira geral. A referência pejorativa “Paulistinha” foi direcionada ao campeonato deste ano, pela forma polêmica como ele acabou. A imagem de dirigentes entrando em campo para fazer o arbitro canelar a marcação do pênalti mostrou bem o nível de quem organizou o campeonato.

  2. Incoerente, até alguns anos atrás, o clube ostentava duas estrelas em sua camisa, fazendo menção às conquistas da Copa Conmebol, competição que deu origem à atual Sulamericana.

  3. Patético!!!!! Se tá jogando a Sulamericana é porque não anda fazendo grandes coisas, né????? É porque tá com um time que não é digno da Série A das Américas, que é a Libertadores!!!!!!

Deixe sua opinião e colabore na discussão