W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Há 77 anos, morria Fausto dos Santos, o “Maravilha Negra”

Fausto

Créditos da imagem: Rádio Campinarte

Morreu novo, aos 34 anos, esquecido e na miséria, vítima de tuberculose na cidade mineira de Santos Dumont, em 28 de março de 1939 (ontem, portanto, foi o 77º aniversário da morte do ex-jogador).

Maranhense de Codó, onde nasceu em 28 de janeiro de 1905, jogou no Bangu, Vasco – campeão carioca em 1929 e 1934, Barcelona (Espanha), Young  Fellows (Suíça), Nacional (Uruguai) e Flamengo, onde encerrou a carreira, em 1938, já declinando fisicamente e jogando como zagueiro central.

Com seu elegante estilo de matadas no peito, exímio controle de bola e passes longos, esse mulato alto e forte foi o primeiro de uma escola brasileira de jogadores clássicos de meio campo. Jamais brincava em serviço, sendo vigoroso na liderança dos companheiros.  Foi  considerado o melhor jogador de sua posição nas décadas de 20 e 30.

Disputando a Copa do Mundo no Uruguai, em 1930, foi chamado de “Maravilha Negra” em razão de sua atuação no mundial.

Jogando no Barcelona, sofreu atos discriminatórios por ser negro. Foi o primeiro brasileiro – ao lado do goleiro Jaguaré – a defender o Barcelona, entre os anos 1931 e 1932. Foi contratado junto ao Vasco durante uma excursão do time à Espanha. Jogou 30 partidas e marcou 3 gols, todas amistosas, já que naquela época jogadores estrangeiros não podiam disputar partidas oficiais.

Recordar é viver…

Montar Seleção Brasileira não é mais como escolher balas sortidas
Brasil x Paraguai e mis recuerdos, nada agradáveis, de Ypacarai

Escrito por:

- possui 21 artigos no No Ângulo.

Natural de Miracema, terra do mestre José Maria de Aquino, Ademir Tadeu é um colecionador de coisas sobre futebol, além de se considerar um saudosista, um genuíno amante da bola.

Entre em contato com o Autor

7 respostas para “Há 77 anos, morria Fausto dos Santos, o “Maravilha Negra””

  1. “Foi o primeiro brasileiro – ao lado do goleiro Jaguaré – a defender o Barcelona, entre os anos 1931 e 1932”. Adoro esse tipo de coluna “histórica”, que agrega conhecimento. Não sabia disso e imagino que poucos soubessem. Abs, Ademir Tadeu. 😉

    • Ademir Tadeu disse:

      A história existe para ser contada, caro amigo Fernando Prado, e o brasileiro tem por costume não dar o merecido valor a quem de direito, digo em qualquer área de atuação. Eu tenho paixão por esse tema, mais direcionado ao esporte, e procuro compartilhar com os demais, lembrando de personalidades que de uma maneira ou de outra, inscreveram o seu nome na história. Mais uma vez agradeço pela força e oportunidade.

  2. José Maria de Aquino Jose Aquino disse:

    Tempos em que os chamados center-half eram clássicos, cheios de estilo. Não foi do meu tempo, mas vi Danilo Alvim, Roberto Belangero Bauer, Dequinha, jogadores que deveriam atuar de fraque e sapato verniz…

  3. Teria sido ele o primeiro Maravilha, antecessor de Dadá Maravilha e Tulio Maravilha?

  4. Muito bom! Adoro este seu trabalho de revelar a história do nosso futebol, Ademir Tadeu! 😉

    Eu estava pensando sobre a “escola brasileira de jogadores clássicos de meio campo”… acho que hoje só temos o Ganso com essas características. E antes dele, Alex, Djalminha e Giovanni. É artigo cada vez mais raro…


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados