W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Santos, CBF, e o jogo de interesses do futebol brasileiro

charge-mario-alberto-santoslanima2015103000971

Créditos da imagem: Portal Terra/Charge de Mário Alberto

Respaldado pela Lei Pelé, o Santos, maior prejudicado com a convocação da Seleção Brasileira para a Copa América, poderia (e deveria) exigir o pagamento dos encargos previstos nos contratos de trabalho de Lucas Lima e Gabigol pela Confederação Brasileira de Futebol durante o período de ausência de seus jogadores. No entanto, “misteriosamente”, não o faz

Está lá, no artigo 41, §1º, da Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998, o qual transcrevo ipsis litteris:

Art. 41. A participação de atletas profissionais em seleções será estabelecida na forma como acordarem a entidade de administração convocante e a entidade de prática desportiva cedente.

§ 1o A entidade convocadora indenizará a cedente dos encargos previstos no contrato de trabalho, pelo período em que durar a convocação do atleta, sem prejuízo de eventuais ajustes celebrados entre este e a entidade convocadora. (grifei)

Traduzindo o “juridiquês”, o texto legal garante ao Santos que ele chegue na CBF com um discurso mais ou menos nessa linha: “Amigos, muito boa a convocação, ficamos lisonjeados, mas nós só liberaremos os nossos atletas se vocês arcarem com o prejuízo material (já que o esportivo, com esse calendário, parece inevitável) que teremos. É pegar ou largar”.

Mas não, o que acontece é um pedido de ressarcimento “para inglês ver” feito pelos dirigentes santistas, na figura do seu presidente, Modesto Roma Júnior, que logo é rebatido pelo secretário-geral da CBF, Walter Feldman, este que, de duas uma: ou é cínico ao dizer que o clube também ganha com a valorização de seus jogadores, ou é míope, por não enxergar que essa tal valorização – que de fato ocorre – só atende aos interesses do clube em curto prazo, e só faz alimentar um sistema falido do futebol brasileiro.

E isso não é privilégio do Santos. Trato do clube da Baixada nestas linhas por entender que sem os melhores jogadores de seu elenco (vale lembrar que Ricardo Oliveira também tinha sido convocado e só foi cortado por lesão), o Santos praticamente joga fora qualquer chance de título no Campeonato Brasileiro. E, naturalmente, com isso perde dinheiro e entra numa ciranda perigosa de questionamentos que pode acabar mal até para Dorival Júnior (que nada tem com isso e vem fazendo um trabalho formidável à frente do clube).

No ano passado, conforme aqui informou o mestre José Maria de Aquino, o São Paulo entrou com uma ação na Justiça para cobrar os salários de jogadores convocados para a Seleção Brasileira desde 1997. O valor do pedido girava em torno de 18 milhões de reais. Só que, também “misteriosamente”, o clube retirou a ação – atitude elogiada e tratada como “elegante e compreensiva” (aham) por Feldman – e com isso perdeu uma excelente oportunidade de ser diferente e de lutar pelos seus interesses.

Oportunidade esta que o financeiramente mal das pernas Santos (como cirurgicamente explicitou Amir Somoggi em coluna para o LANCE!)  também está deixando passar. Sabe-se lá (embora não seja difícil imaginar) em nome de quê ou de quem.

Uma eventual postura combativa do clube poderia abrir um precedente deveras importante para o nosso futebol. E forçar a CBF a rever muitos pontos da sua (não) administração.

Ah, Santos, por que não ages como um tubarão?

E segue o jogo.

Perdoe discordar, mestre Rivellino, mas Brasil fora da Copa não é solução
O dia em que faltou massagista para a Seleção Brasileira

Escrito por:

- possui 244 artigos no No Ângulo.

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.


Entre em contato com o Autor

25 respostas para “Santos, CBF, e o jogo de interesses do futebol brasileiro”

  1. Vicente Prado (Coluna do Leitor) Vicente disse:

    IRRETOCÁVEL!

    MENOS BRAVATAS E MAIS ATITUDES, SENHOR MODESTO ROMA!!!!!!

  2. José Aquino e Amir Somoggi. Desde já, grato pela contribuição indireta de cada um. 😉 Um abraço.

  3. É lei. O São Paulo fez várias vezes a cobrança. Não sei no que deu. Mas os clubes deveriam se unir e negar ceder jogadores, sem que recebessem a grana…

  4. CBF já disse que não vai pagar,e Santos temeu por uma retaliação da CBF.

    • Fernando Prado Fernando Prado disse:

      Boa noite, Flavio.

      Mas aí não seria muito evidente? Acho que é isso que eles querem que todos pensem, fica mais fácil “jogar para a torcida” dessa maneira, não concorda?

      Abraço

  5. Marcos Cardoso Slammin disse:

    Se o Santos peita os caras vai ser garfado todo jogo pela arbitragem.

    • Fernando Prado Fernando Prado disse:

      Boa noite, Marcos.

      Não acredito nisso, de verdade.

      Veja a minha resposta para o Flavio. 😉

      Obrigado e um abraço.

  6. Tadeu Miracema (Coluna do Leitor) Ademir Tadeu disse:

    A subserviência dos clubes brasileiros com a CBF é algo intrigante. Por isso estamos diversos degraus abaixo do futebol europeu. Quando será o grito de liberdade? Oportunidades não faltam.

  7. Diogo Soares disse:

    Pq eles querem ferrar o santos, já que pra eles não devem fazer diferenças?

  8. Deilson Dias disse:

    Que eu saiba a CBF perguntou primeiro ao Dorival Jr sobre os jogadores Gabriel, Ricardo oliveira e o Lucas lima não ao modesto se querem culpar alguem Culpe o Dorival mal informados vlw

    • Tiago disse:

      Para cara, oq o técnico manda? Se ele fala-se que não era pra convocar, como ficaria a situação diante dos jogadores? O burraco é mais em baixo…

  9. Tiago disse:

    O Santos peitou a globo, já é um começo, outros times que deveriam ter feito o mesmo não fizeram. Imagina o Santos peitar sozinho a CBF? Isso tem que ser combinado com todos, caso contrário o maior prejudicado seria o Santos FC. CBF é o câncer, os times são o paciente terminal e nós vivemos na esperança da cura!

  10. Carllos Csr disse:

    Gabriel, lucas lima e ricado oliveira, representa +o- 90% do time, talvez por isso, seja o mas prejudicado.

  11. Excelente texto, Fernando Prado! É o tipo de coisa que não dá para entender.

    E o Santos já vai ter um enorme prejuízo esportivo de toda forma, então poderia aproveitar isso para ir “de peito aberto” contra a CBF. É muito difícil sonhar mais.alto com essas perdas.

    E concordo que a CBF não controlaria a arbitragem. No Brasil somos muito cheios de teoria da conspiração para tudo. E nessas, ficamos engessados e deixamos de fazer o que deve ser feito.

  12. Fernando Paes disse:

    O calendário brasileiro que é um fiasco. Já que vai ter um torneio onde a seleção irá depender dos jogadores por que não paralisar o brasileiro?

  13. Pablo Ruben Gorban Lermer, Bruno Marienberg, Bruno Singal, Felipe Szuster

  1. […] comentei, em coluna anterior, que o Santos perdeu uma oportunidade de ouro de peitar a CBF (amparado pela Lei Pelé) no caso das […]

  2. […] Teve também quem dissesse que Dorival sabia desde o início do ano que perderia os seus três principais jogadores para a Seleção de Dunga e que nada planejou, dizendo-se satisfeito com os jogadores que tinha em mãos. Ora, esse argumento, além de falso, é covarde e cínico. Quem, àquela altura, poderia imaginar que Gabigol (!) estaria na Seleção principal? E qual comportamento um técnico poderia ter que não o de elogiar e valorizar o seu plantel em público? Segundo consta, em “off”, nos bastidores, o treinador sinalizou a necessidade de enriquecer o elenco, mas as suas vontades foram atropeladas por interesses dos mais duvidosos da diretoria. […]

  3. […] Santos no G4 do Brasileiro (mesmo arrebentado pela CBF durante a Copa América). […]

  4. […] – Santos, CBF, e o jogo de interesses do futebol brasileiro […]

  5. […] – Santos, CBF, e o jogo de interesses do futebol brasileiro; […]


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados