Messi é favorito. Mas não se surpreenda: Neymar está na briga

Créditos da imagem: ESPN.com.br

Há quase uma década, o mundo do futebol se divide em saber quem é o melhor jogador do mundo: Messi ou Cristiano Ronaldo? Desde 2007, quando o troféu ficou com Kaká, os dois craques quebram recordes e extrapolam nos números, colocando dúvidas na cabeça de muita gente. Argumentos não faltam para os dois lados. Somos privilegiados em assistir, no tempo real, a história sendo feita. Tanto o argentino quanto o português estão entre os maiores de todos os tempos, tendo Messi quatro prêmios, todos seguidos, e Cristiano, três, antes de La Pulga e os dois últimos. Cada qual ao seu estilo, eles encantam com jogadas geniais e eficiência, fatores que levaram os craques a colecionar não só os prêmios individuais, mas títulos em seus clubes.

No meio dessa disputa, surgiu Neymar. O brasileiro desde pequeno é tratado como joia e preparado para ser o melhor do mundo alguma hora. A pressão em cima do antes menino Ney foi a mesma que destruiu vários talentos ainda na base, e que ajudou outros a não corresponderem durante a carreira. Para ser um craque brasileiro de pedigree, é necessário o tal troféu instituído pela Fifa há mais de 20 anos que Romário, Ronaldo, Rivaldo, Ronaldinho Gaúcho e Kaká ganharam. Sem ele, Neymar será uma grande decepção para a opinião pública.

Mas aos 23 anos, Neymar parece nem aí para a pressão. Mesmo dividindo seu tempo entre a vida de celebridade e a de jogador, o craque do Barcelona gasta seu talento naquele que parece ser o grande objetivo, ainda que não assumido. Há quem crave que Neymar será o próximo melhor do mundo, restando saber apenas em que ano conquistará o prêmio. Para a maior parte, Messi, 28 anos, e Cristiano, 30, ainda duelarão nas temporadas seguintes. Mas eu vou além: Neymar tem chances de ser o melhor do mundo já em 2015.

É bom que se diga que ganhar o prêmio não é ser o melhor em absoluto, mas sim, o melhor do ano. E o 2015 do brasileiro tem sido, no mínimo, no patamar dos dois concorrentes.

Primeiro, é prudente esclarecer: Messi aparece, com razão, como favorito a levar ao prêmio. Depois de perder duas vezes para o arquirrival Cristiano, o argentino recuperou o Barcelona e foi o grande nome da temporada da segunda tríplice coroa do clube, com uma média de um gol por jogo. Ponto pacífico. Parece barbada. Mas pode não ser. E não por causa do português.

O final da temporada, e portanto, a primeira parte do ano de 2015, foi o momento em que Neymar assumiu maior protagonismo. Fez gol em todas as fases do mata-mata da Champions, e de lambuja, encerrou a competição com um gol que lhe deu a artilharia do maior torneio de clubes do mundo. Tá bom? Não.

A segunda parte de 2015 reserva um momento ainda mais especial para o brasileiro: sem Messi, fora por dois meses, Neymar chamou a responsabilidade e assumiu um protagonismo que parecia que não seria capaz de fazer, pelo menos não tão cedo. Mas o craque da Seleção desandou a fazer gols e lidera a artilharia de La Liga, da qual o Barcelona é primeiro colocado. E não se deixe enganar pelo pênalti perdido por Neymar na partida de ontem, contra a Roma, pela Champions. Mesmo sem fazer gols, o craque jogou muito. No ano, já são 43 tentos, apenas quatro a menos do que… Messi e Cristiano.

Os números mostram que não podemos considerar o português carta fora do baralho, mas não ter conquistado título costuma atrapalhar na hora da premiação individual. Aí, reforço do favoritismo em cima de Messi e mais uma vantagem para um Neymar que só cresce neste fim de ano. Se decepcionou com a Seleção Brasileira na Copa América, o argentino também nada fez, bem como Cristiano até tenta levar Portugal, mas esbarra na falta de grandes conquistas com a seleção lusitana. Aqui, o empate de zero entre eles joga a decisão para seus desempenhos nos clubes.

Outro fator que ajuda o brasileiro a chegar no topo: Iniesta (noves fora a partida espetacular contra o Real), Ribéry e Neuer, os que chegaram perto dos dois foras-de-série nos últimos anos, não jogaram como em seus ápices. Corre por fora Suárez, que engrenou no time catalão e talvez tenha a chance de aparecer na festa de premiação na Suíça, para muitos, com atraso de um ano após espetacular temporada no Liverpool.

Por fim, é impossível não citar o marketing em cima do carismático brasileiro, que coleciona fãs mundo afora com seu jeito pouco natural, mas inegavelmente cativante. Como se sabe, Neymar já era alçado ao patamar de melhor do mundo antes mesmo de sair do Santos, tudo muito bem arquitetado por seu staff, aliado ao talento absurdo com a bola no pé. Ao contrário de Sneijder, Robben, e o próprio Suárez, entre outros, sobra grife para o camisa 11. E isso, claro, pode ter um peso.

O ano de 2015 ainda tem em Messi seu grande nome. O argentino vai voltando aos poucos ao time e deverá reassumir o protagonismo, confirmando seu quinto prêmio. Caso Messi demore a engrenar e Neymar continue dando as cartas, como está nessa temporada, poderá encerrar o ano com uma impressão excelente. Aí, não se surpreenda se, depois de sete anos, nem Messi nem Cristiano levarem o troféu.

33 comentários em: “Messi é favorito. Mas não se surpreenda: Neymar está na briga

  1. Só não concordo que o Neymar vai brigar pela bola de ouro pois acho eu que a bola de ouro ja ta garantido para el punga.

Deixe sua opinião e colabore na discussão