W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Neymar não é Mané, mas deve ser a alegria do seu povo

5neymarbrigaathleticalex-caparrosgetty

Créditos da imagem: Portal Terra

Mané pega a bola na ponta direita, passa por dois marcadores, invade a área, passa por mais um marcador. Cruzar ou chutar? Mané prefere voltar e refazer o lance. Dribla todo mundo de novo como ninguém nunca mais fez. Dessa vez, ele passa para o companheiro, que perde o gol.

Sei lá se essa cena existiu, mas há quem garanta que era exatamente assim que Mané fazia. Mané, para quem ousa não saber, era o apelido do “Alegria do Povo”, que também era apelidado como Garrincha.

“Alegria do Povo” porque jogava muito futebol, divertia e fazia espetáculo. Tudo junto.

Mané sofria. Apanhava muito dentro de campo, isso quando algum daqueles zagueiros que pareciam sargentos de milícia o achava. Era genial, mas havia quem não gostasse de Mané, quem quisesse quebrar suas pernas, arrancar seus pés e, provavelmente, fraturar seu nariz. Ou alguém acha que os laterais-esquerdos davam passagem e aplaudiam Mané? Mas Mané não parava e assim se fez. Alegrando o povo, a si mesmo e aos seus torcedores.

Neymar não é Mané porque ninguém mais é Garrincha. Mas por que o tratamento diferente? Porque Neymar é abusado. O seu visual é abusado, o seu jeito de ser no Instagram é abusado, como é abusado para o mundo de frustrados que vivemos um jovem de 23 anos jogar tanto quanto joga, tão cedo, desde cedo. O abuso de Neymar é ser bom e saber que é bom, num planeta onde isso significa ser alvo. Neymar não é Mané porque não tem a simplicidade roceira de Garrincha.

Quando parou próximo da linha de fundo e se viu cercado entre o fim do campo e o beque sem recurso, Neymar lembrou do parça Falcão, do ídolo Ronaldinho Gaúcho ou mesmo incorporou Garrincha: puxou a lambreta/carretilha. Neymar arriscou, o drible saiu errado, a bola ia pra linha de fundo e o zagueiro fez a falta. Tudo como deve ser.

Mas alguém se achou no direito de ir cobrar Neymar. Veio uma sucessão de frases, a maioria vinda daqueles  para quem duas embaixadinhas é impossível: “ganhando é mole”e “contra o Bilbao até eu”.

Não, gente ignorante, nem ganhando o jogo é fácil de se driblar. É que estamos desacostumados, mas é muito difícil driblar, seja ganhando ou perdendo. Perder se tornou vergonha, então perdendo, nem pensar em arriscar. Mas até vencendo, hoje, quase não vemos mais o recurso mais intuitivo do esporte. E se alguém consegue torná-lo “fácil” deve-se ao seu talento. Pois para Garrincha, todos eram João. Para Neymar, quase todos são Bilbao.

Neymar deve ser a alegria do seu povo, da sua torcida, somente a eles o craque deve dar satisfação. E não me parece que a torcida que viu Maradona, Romário, Ronaldinho, Ronaldo e Rivaldo vá se irritar com um drible a favor. Se fosse no meu time, aplaudiria de pé aos gritos. Se fosse contra, mandaria quebrar as duas pernas e ainda dar uma móca. Porque o drible é do futebol e as reações também.

Pareceu deboche, e foi. Afinal, no futebol de hoje em dia, inventar um drible, arriscar algo diferente, tirar uma jogada da cartola, ou seja, alegrar seu povo, é até deboche no meio de tanta mediocridade onde se sobressai a  força física e tática.  Ali, com Neymar já no chão, o elemento mais forte é o zagueiro gritando. Mas com a bola no pé, quem fala mais alto é quem tem o talento. Então, o gigante é Neymar.

Para alguns, o que resta é mesmo espernear e bancar o valentão. Cada mané com seus recursos.

Palpites da quinta rodada do Brasileirão 2015
Barcelona ou Juventus, quem vai conquistar a tríplice coroa?

Escrito por:

- possui 71 artigos no No Ângulo.

Carioca, graduado em Direito e universitário de Jornalismo. Mas antes de tudo, um opinólogo profissional, cronista do cotidiano, comentarista do dia a dia e palpiteiro da rotina.


Entre em contato com o Autor

5 respostas para “Neymar não é Mané, mas deve ser a alegria do seu povo”

  1. Vitim Marques disse:

    joga muito✌Neymar✌


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados