W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Os anos de ouro do futebol brasileiro

jogadores-da-selecao-brasileira-comemoram-a-vitoria-por-4-a-1-sobre-a-italia-na-final-da-copa-do-mundo-de-1970-no-estadio-azteca-mexico-1319284668787_564x430

Créditos da imagem: salgueirofc.com.br

Não tenho a menor dúvida em afirmar que as décadas de 40, 50 e 60 foram os anos de ouro do futebol brasileiro. Ganhamos três Copas do Mundo em um intervalo de 12 anos – entre 1958 e 1970 – fato esse que nunca ocorreu com nenhuma outra Seleção. E poderíamos ter ganhado quatro em um intervalo de 20 anos, se tivéssemos conquistado a Copa de 1950.

Essa Copa até hoje e sempre será lembrada por diversos aspectos que muitas vezes julgamos com o coração, esquecendo-se que do outro lado tinha um adversário de bom nível, com jogadores de qualidade e uma raça que até hoje os jogadores brasileiros não conseguem igualar. Dentro das quatro linhas, time por time, será que o uruguaio não era melhor que o nosso? Os uruguaios e argentinos praticam um futebol com muito mais intensidade, é uma mística que eles carregam há décadas.

Nossos primeiros craques e ídolos foram Friedenreich, Domingos da Guia, Fausto, Feitiço e Leônidas da Silva. O Diamante Negro, para aqueles que não sabem é o apelido dado a Leônidas da Silva, que depois virou marca de chocolate e, foi, de fato, o primeiro ídolo do esporte que ainda encontrava muita resistência nas classes sociais mais elevadas. Para se ter uma idéia de sua importância, só havia três ídolos no Brasil do final dos anos 30: o presidente Getúlio Vargas, Orlando Silva, o “Cantor das Multidões”, e Leônidas da Silva. Com o início das transmissões radiofônicas dos jogos, foi Ary Barroso um dos responsáveis por difundir Brasil afora o futebol e fazer de Leônidas da Silva, que jogava no seu time de coração, o Flamengo, conhecido nacionalmente. Pela Seleção Brasileira, atuou nas Copas de 1934 e 1938, tendo marcado nove gols na história da competição.

A Copa de 50 marcou o fim de uma geração que brilhou pelos gramados praticando um futebol de elegância e que merecia uma conquista internacional para coroar sua trajetória no cenário do futebol mundial. Algo parecido ocorreu com a geração da Copa de 1982, que foi a última de qualidade individual que a todos encantou, mesmo sem ter conquistado o título. Voltando aos anos 40 – além de Leônidas da Silva – cito Zizinho, Romeu Pelliciari, Tim, Perácio, Jair Rosa Pinto, Danilo Alvim, Heleno de Freitas, Tesourinha, e muitos outros que tiveram a infelicidade de na década de 40, onde foi deflagrada a Segunda Guerra Mundial, não ter sido disputada duas edições da Copa do Mundo – 1942 e 1946. O mundo do futebol não conheceu uma das maiores gerações de craques já produzidas no Brasil. Inclusive, a Copa de 1942 seria realizada no Brasil, conforme decisão tomada pela FIFA em 1940.

Nas décadas de 50 e 60, o mundo descobriu que o Brasil não formava apenas uma Seleção, pois tínhamos qualidade e quantidade de craques para todas as posições. O surgimento de Garrincha e Pelé coincidiu com o ápice da conquista dos três mundiais. Exceto na Copa de 1966, principalmente por motivos organizacionais – quero dizer fora de campo – a participação brasileira na Copa deixou muito a desejar. Perdemos mais uma vez o Pelé por contusão e não tivemos forças para seguir na competição.

Botafogo e Santos formavam a base de nossa Seleção nos anos 60. O time paulista da década de 60, para muitos, é o maior esquadrão já formado no país e um dos melhores do mundo.  Ao longo da década de 60 – junto a Real Madrid, Benfica e Milan – dominaram o cenário mundial. Grandes times foram formados aqui no Brasil ao longo dessas décadas, os dois já citados acima e outros que também marcaram épocas. Tivemos o Internacional com o seu Rolo Compressor na década de 40; o Flamengo conquistando três títulos cariocas em seqüência nos anos 40 e 50; o Vasco com o seu famoso Expresso da Vitória; o Palmeiras com a sua primeira Academia nos anos 60; o Esquadrão Imortal cruzeirense, com Tostão e Cia que tiveram embates inesquecíveis com o Santos de Pelé, também nos anos 60; e dois intrusos do Nordeste, sendo o Náutico hexacampeão pernambucano entre 1963 e 1968, e vice-campeão da Taça Brasil de 67 – quando foi derrotado pelo Palmeiras – e o Bahia campeão da Taça Brasil de 1959.

Depois da Copa de 70 só voltamos a ganhar um mundial em 1994, isto é, ficamos 24 anos na fila. Por muito pouco não conquistamos três Copas em um intervalo de oito anos, pois fomos vice em 98 e penta em 2002. Mesmo com esse desempenho, a qualidade do futebol apresentado não pode ser comparada ao período do tricampeonato.

A partir dos anos 70, exceto a Seleção da Holanda, tendo o Ajax como time base e um gênio de nome Johan Cruijff – que praticava um futebol com muita técnica e movimentação – o restante da Europa utilizava o chamado “futebol força”, estilo esse que dominou o continente até o fim dos anos 90. Exceção feita, mais uma vez, ao selecionado holandês que brilhou no final dos anos 80, revelando Van Basten, Gullit e Rijkaard. Não posso deixar de mencionar a Seleção da Dinamarca – na Copa do Mundo de 1986 – que deixou uma ótima impressão e surpreendeu o mundo com a dupla de ataque Laudrup e Elkjaer. No Brasil tivemos Rivelino e Tostão – que surgiram ainda na década de 60 – Zico, Falcão, Reinaldo, Júnior, Sócrates, Careca, Romário, Ronaldo, Rivaldo, Ronaldinho Gaúcho e, por último, Neymar.

Será que somente nos resta a acostumar com o futebol praticado atualmente por nossos jogadores?  Prefiro acreditar que não.

Borussia Dortmund e Liverpool "nunca estarão sozinhos"
Helvídio Mattos, da ESPN Brasil, sai em defesa de Trajano e Kfouri por críticas de leitores do No Ângulo

Escrito por:

- possui 21 artigos no No Ângulo.

Natural de Miracema, terra do mestre José Maria de Aquino, Ademir Tadeu é um colecionador de coisas sobre futebol, além de se considerar um saudosista, um genuíno amante da bola.

Entre em contato com o Autor

10 respostas para “Os anos de ouro do futebol brasileiro”

  1. Vicente Prado (Coluna do Leitor) Vicente disse:

    Bons tempos, meu caro, bons tempos…

  2. Jocivar Arantes disse:

    É mesmo muito triste pensar que hoje são poucos os times brasileiros que chegam a possuir sequer um “dono do time”. Penso que somente Fluminense, Santos, São Paulo e Atlético Mineiro podem dizer que têm ao menos um craque no elenco. Todos os demais, não. E não se faz omelete sem ovos…

  3. tudo tem o momento máximo e depois vai enfraquecendo e um tem fim

  4. José Maria de Aquino Jose Maria Aquino disse:

    Não acredito que voltemos a ver o futebol jogado como antigamente. Há um sem número de motivos. Gostaria, mas acho que continuará assim, mecânico, como quase tudo vem sendo na vida.

  5. Yussef Damian disse:

    Apenas para lembrar de uma seleção argentina que conquistou seu bi campeonato mundial com Ruggeri, Burruchaga, Valdano e Maradona esse último pode tranquilamente entrar numa lista dos extras.

    • Yussef Damian disse:

      ….num precisava de lembrar disso né?

    • Tadeu Miracema (Coluna do Leitor) Ademir Tadeu disse:

      Maradona, na década de 80 e Messi, na atualidade, estão acima dos demais. São gênios! Só mencionei Garrincha e Pelé apenas uma vez, e nem precisava, pois todos nós já sabemos de quem se trata.


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados