Sou mais os estaduais, com suas tradicionais rivalidades

Créditos da imagem: torcedores.com

Cada vez mais espremido no calendário, a bola começa a rolar no Campeonato Paulista, mantendo a velha indagação, sempre presente nesses momentos: quem sairá campeão?

O Santos, grande papão de canecos, que assim se tornaria tri, como nos velhos tempos de Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe? Tri, que não deixaram ser tetra? (60/1/2 e 67/8/9)

Ou será novamente a vez do Palmeiras, embalado pela conquista do Brasileiro do ano passado, sabendo controlar os nervos e superar a ausência do técnico Cuca, para tantos o maior responsável pelo fim do longo jejum de título?

Quem sabe se não dará o Corinthians, remodelado, sem Tite no banco, cheio de problemas?

Ou valerá arriscar no São Paulo, acreditando num sucesso rápido de Rogério Ceni como técnico, impondo ao time, em formação, sem estrelas, seu método de trabalho, traduzido por seriedade?

Ou, melhor ainda, será mais uma vez a hora de um time do interior, repetindo o Bragantino de 90, Inter de Limeira de 86, ou Ituano de 2014?

Sou fã dos regionais, especialmente o Paulista, em que demora décadas para que apareça um intruso, ao contrário do mineiro, do gaúcho, do paranaense. E não entendo porque lutam tanto para acabar com eles, usando argumentos falhos e falsos.

Mil vezes a rivalidade regional – antes, entre torcedores amigos, durante, no campo, e depois.

Não troco um Corinthians x Palmeiras, um Santos x São Paulo, por qualquer pega entre estes e times cariocas, gaúchos etc. Lamento a má vontade de parte da imprensa, que prega esticar o Brasileiro, com jogos apenas aos domingos, como se tivéssemos aqui times de qualidade em quantidade para escalar mais alguns. E como se no resto do mundo fosse assim.

E desprezo os dirigentes que olham o regional como torneio de segunda linha, passando essa ideia aos técnicos e, pior, permitindo que os jogadores pensem da mesma forma.

Não bastasse muitos deles julgarem que ganham belas somas apenas para cumprir os horários de treinos e jogos, sem o menor compromisso com vitórias e conquistas.

19 comentários em: “Sou mais os estaduais, com suas tradicionais rivalidades

  1. Mestre José Aquino, é tão raro eu discordar de você, que me sinto à vontade para fazê-lo agora. Campeonato estadual não leva ninguém a lugar algum. Jogos fracos, sem público e sem qualquer atrativo. Será que o senhor não está se deixando levar pela nostalgia? Comecemos o debate! 😀 Abção

    1. Pode ser, mas não acho. Que jogos do Brasileiro tem público digno de um pais com 220 milhões de habitantes, cinco títulos mundiais e que se diz – é mentira – dono do melhor futebol do mundo? O Brasileiro leva à Libertadores, o que não transforma os jogos, só por isso, em grandes espetáculos. Mas, claro, aceito todo ponto de vista

      1. Sim, a Europa tem bons campeonatos. Não todos. Ingês, Espanhol, um pouco o italiano. Mas como não podemos ir lã ver os jogos ao vivo…rrss

      1. Não é preciso. Dá para ver pela tv. Mas como não podemos segurar os melhores aqui – e nem tem muitos grandes jogadores – resta ver o que há por aqui. E aí eu gosto da rivalidade entre os times locais…

      1. Um País não, um SMALL que quis contratar um jogador de 38 e levou uma esnobada, quando o Dorival falou em contratar para o Santos três europeus que ainda estão jogando em alto nível o mundo inteiro noticiou e os caras se interessaram em vir, não confunda as bolas curintiano kkkkkkkk

      2. Foi só jogo de cena para a torcida. O nível está bem baixo por aqui, mas é o que temos…

    1. Sim, para ver os jogos num telào, acomodado em casa, claro. Mas para ir ao estádio, vibrar, curtir os jogos e brincar com os adversários, nada como o estadual…

  2. Engraçado você tocar neste assunto justamente agora, Mestre José Maria de Aquino, porque eu estava para soltar estes tempos um texto que diria que os estaduais atualmente não passam de “Florida Cups mais nocivas”, rs…

    Enfim, acho que a globalização diminuiu distâncias, queremos elevar o nível da disputa e os estaduais acabam fazendo um mal a todo o futebol brasileiro, grandes e pequenos. Mas coloco os meus pontos no texto e aguardarei seu comentário 😉

    1. É uma tese que venho ouvindo faz tempo, de que deviam acabar com os estaduais e prolongar o Brasileiro. Para ver que jogos? Corinthians x Avaí? Santos x botafogo, como se fosse nos velhos tempos? Espremendo – e nem precisa ser com muita força – que suco sem tira da maioria dos jogos do Brasileiro? Um campeonato dispendioso, cheio de maracutaias. Acho que um jogo, um campeonato, vai além dos 90 minutos, alcança a rivalidade entre os torcedores, as brincadeiras dos dias seguintes…Dizem que não leva a nada, preocupando-se com a rodada final e esquecendo todo o campeonato. Dizem que não vale nada porque não leva à Libertadores – e a Conmebol cada vez mais aumenta o número de participantes, acabando com a importancia de ter um grande time para garantir uma vaga, sabendo-se que elas são tantas, que basta ser beia-boca…Mas respeito, claro, claro.

Deixe sua opinião e colabore na discussão