Análise: o Palmeiras é bem mais rico do que a preguiça alheia consegue observar

Créditos da imagem: Reprodução R7 Esportes

O que um simples escanteio pode dizer sobre o Palmeiras de Felipão

Analisemos um lance específico e suas diversas interpretações e aspectos possíveis.

Dentre estes, observo e destaco como o posicionamento pré-estabelecido para defesa de um escanteio ofensivo favorece muitas possibilidades de combinações. Veja vídeo:

 

Enumerando alguns pontos:

1 – Zagueiros subiram juntos no escanteio. Os laterais ficaram;
2 – Bruno Henrique e Lucas Lima no rebote desencadeiam muitas das consequências posteriores a cobrança;
3 – Bruno Henrique abre pelo lado esquerdo, Marcos Rocha pela direita; Diogo centraliza;
4 – Felipão favorece algumas coisas com isso: o canhoto por dentro tem mais facilidade de enquadramento de corpo; tanto pode encontrar o passe no Lucas Lima em busca da ligação rápida, como pode lançar bolas para os dois lados ou às costas da defesa;
5 – Bruno Henrique infiltrando em triangulação com Lucas Lima se a bola fosse lá seria jogada cantada;
6 – Dudu já sai do escanteio rente a linha lateral como opção para Marcos Rocha. Por característica, tem 1×1 (um contra um), condução assim como o passe profundo que lançou Lucas Lima somado ao apoio de Deyverson nas costas da defesa;
7 – No desenrolar do lance, a amplitude é estabelecida dos dois lados e Bruno Henrique -com o pé contrário- consegue a inversão rápida para o 2×1 (dois contra um) no lado fraco.

De maneira que o time fica preparado para manter a bola no ataque e, assim, criar volume e aproveitar a desordem do adversário em meio à pressão.

É uma estratégia de imposição em campo que vai além de técnica e tática: é mental, abala a confiança do oponente.

Hoje tem Palmeiras x Internacional pela Copa do Brasil.

A conferir se o ritmo alviverde permanece o mesmo neste retorno do futebol doméstico pós-Copa América.

Deixe sua opinião e colabore na discussão