Habemus centroavante?

Créditos da imagem: Globo Esporte

Em tempos de supervalorização de potenciais craques, surge um novo camisa 9 nas Laranjeiras

Pedro não tem o mesmo “cartaz” de Vinícius Júnior, Rodrygo, Paulinho (ex-Vasco) ou Paquetá, algumas das mais badaladas revelações do futebol brasileiro na atualidade.

No entanto, ao menos nos números (estes que, se não dizem tudo, dizem muito), é aquele que tem se saído melhor entre os candidatos a craques acima listados.

A bem da verdade, o centroavante é o único que mantém certa regularidade e bom nível de atuação dentro de campo: com apenas 21 anos, Pedro é o goleador máximo de sua equipe com 17 gols anotados na temporada. Mais: é, também, o jogador que mais deu passes para os companheiros marcarem até aqui, com 7 assistências.

É, portanto, “meio time” do Fluminense. Ou mais.

Alto e ágil para a posição, o jovem matador inevitavelmente acabará sendo vendido pelo hoje economicamente frágil Fluminense, que vem desmantelando o seu elenco a cada campeonato que disputa (tanto é assim que Luciano, Junior Dutra e Everaldo foram contratados para o ataque tricolor durante a pausa da Copa do Mundo, muito provavelmente como “peças de reposição”).

Caso o “o estupro seja mesmo inevitável”, que pelo menos Pedro seja vendido por um “caminhão de dinheiro” e para uma equipe que lhe proporcione um crescimento técnico, que possa, quem sabe, render-lhe uma convocação para a Seleção Brasileira.

“Jesus” bem sabe o quanto estamos precisando…

E segue o jogo.

13 comentários em: “Habemus centroavante?

  1. A que ponto chegou o futebol brasileiro , nossos jovens precisam ir para Europa para aprender fundamentos. Um país que sabia bater na bola com efeito de trivela de peito de pé de chapa de chaleira. Ensinou o mundo a dar caneta deixadinha elástico tapa de primeira lançamentos drible da vaca pedaladas enfim tudo o que se faz no futebol hoje nossos craques fazia a tempos atrás. O tão famoso 4 1. 4. 1 Zagalo fez na seleção de 70 , desaprendemos o que tínhamos de melhor . Boa noite

Deixe sua opinião e colabore na discussão