O que é preciso entender de uma vez no PSG

Créditos da imagem: Reprodução YouTube

Quando reforçar os adversários é preciso

Na adorável temporada europeia que acabou no final do último mês, várias das melhores surpresas surgiram no belo time holandês do Ajax, que encantou o mundo com jogadores jovens e veteranos bem entrosados.

Dentre os jogadores mais novos, De Jong já está fechado com o Barcelona, e De Ligt, cobiçado por tantos, estaria perto de fechar com o PSG.

Seria mais um jogador caro num renomado elenco, que já conta com nomes de peso e se distancia cada vez mais dos seus rivais domésticos.

No entanto, se dentro da França o PSG está a anos-luz de qualquer adversário, fora da Europa tem colecionado vexames e não passa de um time ordinário, mas com muito dinheiro no bolso.

Não é novidade que muito o que um time consegue alcançar no exterior é reflexo também do que ele conquista dentro de casa, mas é necessário contrabalanço.

O PSG, ao se tornar cada vez mais imponente na França e ao investir valores milionários para melhorar cada vez mais seu time, dá um verdadeiro chutão na competitividade caseira.

E é exatamente aí que mora o perigo. Quando um time tem um campeonato nacional fraco ele tende a chegar também enfraquecido nas competições internacionais, algo que tem sido provado pelo próprio clube francês e, também, pelas equipes inglesas, que passaram a dominar a Europa depois de um processo de fortalecimento interior.

Quando o clube tirou Mbappé do rival Monaco, fortaleceu-se como elenco, mas perdeu competitividade nacional, o que dificultou a participação da equipe num continente cada vez mais forte e multi-polarizado.

Com isso, o clube, ao mesmo tempo em que sobra, acaba por fragilizar o campeonato francês e sua própria capacidade de encarar alguns poderosos adversários internacionais.

Ademais, a tendência é que, com o tempo, jogadores de maior qualidade evitem ir para o time francês, vez que o clube não enfrenta qualquer nível de competitividade em seu território e, por vezes, finaliza a sua temporada já nas oitavas de final da Liga dos Campeões.

Ou seja, o PSG deveria considerar investir seus dólares em adversários para fortificar o próprio campeonato francês. Seria como investir em si mesmo -e até poderia custar um o outro título nacional-, mas daria força para alcançar a tão sonhada Champions.

Caso contrário, correrá grande risco de seguir sendo apenas um pobre time rico, incapaz de impor respeito no continente mesmo com tantas estrelas em campo.

Deixe sua opinião e colabore na discussão