Falcão: um “elegante” erro do Internacional

Créditos da imagem: Ricardo Duarte/Inter

Não seria exagero considerar Paulo Roberto Falcão um dos grandes meio-campistas da história do futebol mundial.

Ídolo de Internacional, (Rei de) Roma e Seleção Brasileira, o ex-volante foi verdadeiramente um craque.

No entanto, passada a “pra lá” de bem-sucedida carreira de atleta, convenhamos, Falcão virou – que me desculpem a franqueza – um mau treinador (e olha que ele teve muitas chances nessa função) e um insosso comentarista de televisão.

Nas duas “atividades”, é sempre a mesma ladainha, fruto de um repertório pobre de ideias do ex-jogador: “Quero um time que toque a bola com qualidade, com jogadores de qualidade e tudo mais que tenha… qualidade“.

Conhecimento técnico, compreensão da revolução tática pela qual o futebol passou nos últimos anos, capacidade de contagiar um elenco?

Não, Falcão – ao que tudo indica -, novamente não conseguirá transmitir isso ao Internacional, clube que pela terceira vez (!) decide apostar no seu ídolo como treinador, persistindo no erro já evidenciado nas passagens anteriores, em 1993 e 2011.

Ah, mas ele é “elegante” e o (perseguido) Argel, seu antecessor, era um “brucutu”.

Hum, então tá…

E segue o jogo.

14 comentários em: “Falcão: um “elegante” erro do Internacional

  1. Concordo em absoluto com a análise. Falcão, Zico e outros não demonstram como treinadores a mesma qualidade que tinham como atletas. Aliás hoje, na Europa e em Portugal particularmente, ha excelentes treinadores que ou nunca foram jogadores ou nunca passaram de jogadores medianos. Cada vez menos ter sido um grande jogador é condição necessária – e muito menos suficiente – para se ser um grande treinador.

  2. Concordo com vc Fernando e também com Pacheco, nem sempre um grande craque deverá ser bom treinador, alguns já foram, mas historicamente isso não é regra. Alguns foram PhD da bola mas não sabem comandar, outros sabem comandar, caso Tite, mas preciso eu de um PhD em literatura ou filosofia ao meu lado para enter o que ele quer dizer, mas os boleiros em campo entendem. Quem sou eu pra questioná-lo?

  3. Concordo com a análise. Mas tem muito torcedor que confunde o técnico com o jogador. E a diretoria sabendo disso, está jogando para a platéia, quem sabe para minimizar uma administração muito criticada. Acho constrangedor para o Falcão.

  4. Falcão foi certamente um dos melhores jogadores que vi em campo. Não deixava em nada a desejar a Zico e Sócrates. Mas, realmente, está devendo como técnico.

  5. O inter e o santos serão o futebol mais bem jogado do país… Eu assistir o jogo do inter….e vi um plano de jogo que daqui pra frente será aperfeiçoado e vai pôr muito time no bolso

  6. Pode parecer lugar comum, mas realmente não consigo entender como alguém contrata alguém com o perfil do Falcão no meio do campeonato. Se a pessoa acredita que ele é capaz de implantar um bom sistema de jogo (afinal, é isso o que ele vende, e eu, particularmente, não acredito), então que dê a oportunidade para que ele faça isso numa pré-temporada.

    Acho que trocar de técnico no meio do campeonato vale só para oportunidades de mercado (por exemplo, se alguém vê um grande técnico à disposição e contrata já pensando no ano seguinte) ou para mudar o ambiente (no que um Argel da vida, ou técnicos que arrumam defesas, são bons).

    Já um Falcão não me parece servir para isso. Nem para começar a temporada, mas muito menos nestas circunstâncias.

Deixe sua opinião e colabore na discussão