W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Flamengo vai se arrastando para o final de um ano melancólico

LANCEPRESS! - (Brazil Out) - Rio de Janeiro - 18.10.2015 - Foto de Wagner Meier/Lancepress! - Campeonato Brasileiro 2015 - Trigésima Primeira Rodada - Flamengo x Internacional - Local : Maracanã -  NF:  Emerson lamenta.

Créditos da imagem: Wagner Meier/Lancepress!)

Se antes do começo do Brasileirão o viajante do futuro oferecesse para o Flamengo a atual colocação (10º lugar, faltando sete jogos para o fim, a cinco pontos do G4 e sem nenhuma chance de queda), aposto que a grande maioria dos torcedores aceitaria. Até a diretoria fecharia. É certo que o Mengo entrou no campeonato vindo de um estadual fraco e com um treinador que não acerta mais seus trabalhos, além de uma pá de jogadores de nível questionável trazidos por ele. Ou seja, para um torcedor rubro-negro mais consciente, se é que isso é possível, a campanha atual não é das piores. Nada para se estressar.

Ocorre que o Flamengo não ganhou nenhum título esse ano. E foi eliminado duas vezes para o arquirrival. Somando esses fatores às três últimas fracas campanhas no Brasileirão, sempre na parte de baixo da tabela, encontramos a razão para a insatisfação do flamenguista. Nesse cenário, dá para entender.

O Flamengo é um time em formação. Sim, em outubro. Trouxe seus melhores jogadores no decorrer do campeonato, enquanto tentou (e nem sempre conseguiu) se livrar de outros menos cotados. Ainda por cima, mudou de treinador erradamente, e teve que mudar outra vez. Oswaldo e os reforços conseguiram colocar o rubro-negro na parte de cima da tabela, mas mantê-lo não está sendo fácil e não será. Depois das seis vitórias seguidas que colocaram o mel na chupeta da criança, veio a atual série de cinco derrotas em seis jogos. O amargo gosto da irregularidade, o que é normal para um time que se forma e se transforma durante o campeonato.

O que não é normal são tantas derrotas em casa. Colecionando derrotas em casa, mesmo com a boa campanha fora, fica impossível pensar em voos maiores. E olha que o atual elenco até tem nomes de talento, mas ainda peca em algumas posições, fruto da péssima escolha feita no começo do ano para a temporada. Sem contar a característica do time: pouco vibrante e com pouca “alma de campeão”, o Flamengo não consegue se impor nem jogando para a sua gente, em seus domínios. Não que falte raça e empenho, mas falta o algo a mais que isso: tirar o ar de onde não tem para reverter a situação.

Enquanto isso, vai chegando ao fim a primeira gestão séria do clube em décadas. Eduardo Bandeira de Mello conseguiu, muito por conta da Copa do Brasil de 2013, a paciência dos torcedores para equacionar as dívidas, aumentar a receita e colocar ordem na casa. Mas essa paciência parece que está terminando junto com o mandato. Provavelmente reeleito, o presidente rubro-negro não terá mais tanta chance de erro e deverá começar a pensar mais alto. Mesmo com a situação econômica ainda inspirando cuidados, a torcida certamente irá cobrar uma mudança de pensamento já a partir de 2016.

Até lá, faltam sete jogos para o fim do Brasileirão. Matematicamente, o Flamengo ainda está na disputa pelo G4. Alguns do rivais também são claudicantes e também arrumam suas melancias com a carroça já andando. Mas a tabela ingrata, a fragilidade do time em casa e a irregularidade na competição (14 vitórias e 15 derrotas) dão a impressão de que o clube da Gávea vai se arrastar até o fim do campeonato, com o único intuito de somar pontos e tentar ficar na primeira parte da tabela.

Resta agora esperar o apito final de 2015, um ano insosso para o clube, em que não haverá nada digno de registro dentro de campo. Sem títulos, sem os tradicionais sufocos de fim de tabela, sem esperança de conquistas. A torcida permanece, como sempre, ao lado do clube, mas já vai dando sinais de que cansou de esperar a prometida mudança de patamar do Flamengo. Trabalho para a próxima gestão.

Chapecoense e o Pé de Feijão
O acesso do Brasil de Pelotas é um marco para o futebol baseado no trabalho em longo prazo

Escrito por:

- possui 70 artigos no No Ângulo.

Carioca, graduado em Direito e universitário de Jornalismo. Mas antes de tudo, um opinólogo profissional, cronista do cotidiano, comentarista do dia a dia e palpiteiro da rotina.

Entre em contato com o Autor

10 respostas para “Flamengo vai se arrastando para o final de um ano melancólico”

  1. Adriano Motta disse:

    Ótimo texto. Caso reeleito, Bandeira de Mello deve usar o primeiro ano do eventual segundo mandato para reformular o elenco. Procurar aliviar os cofres com o corte de jogadores que custam caro ao clube, mas que rendem pouco; viabilizar a chegada de reforços à altura do Flamengo. O pensamento deve ser este. O Fla deve almejar saltos maiores do futuro.

  2. Ainda é pouco pra esses carniceiros. Kkkk

  3. Uai cadê o edmundo que falo que o fla lixo era o 2 melhor clube do Brasil chupa ae agr

  4. To com dò do guerreiro que deixou de ser campeão brasileiros no Corinthians pra i pro flamengo não ganha nada

  5. Leandro Aum disse:

    Ainda tem muitos hipócritas q acharam q esse lixo de time iria tomar a vaga do meu peixão no g 4

  6. Luiz Neto Bdb disse:

    Chupa Ismael Gomes

  7. É Incrível Como Uma Equipe Vence 6 Partidas Seguidas e Na Sequência perde 4 dos 5 Jogos Inclusive Para o Atual LANTeRNA o Vasco Que Com Saldo. -29 e Só 7 Vitórias Passou o Campeonato Agonizando!


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados