O que sobrou para o “país do futebol” em 2018

Créditos da imagem: arte globoesporte.com

Em ano de Copa do Mundo, o Brasil só tem mais uma esperança de levantar um caneco internacional.

Nesta quarta-feira, Atlético Paranaense e Fluminense se enfrentam pela vaga brasileira na final da Sul-Americana de 2018.

É o que temos para este ano, já que a atuação do país em outras competições internacionais foi desalentadora.

Na Copa do Mundo, uma seleção com um técnico com calcanhar de Aquiles, que não abriu mão de suas convicções e caiu nas quartas de final, sem fazer sequer um bom jogo em todo o campeonato.

Na Libertadores, um time eliminado já na primeira fase, outro na fase de grupos, dois nas oitavas, um nas quartas e dois na semi.

O atual campeão brasileiro caiu para o fraquíssimo Colo-colo. O atual campeão da Libertadores entregou uma classificação ganha. Já o melhor time brasileiro do ano fez um jogo de chutão fora de casa e foi incapaz de reverter o fracasso em casa.

Se não é mais um ano pra esquecer, é, no mínimo, para repensar e assumir os erros, coisa que o treinador da Seleção parece não gostar de fazer.

Isso sem contar a ausência brasileira nos Melhores do Mundo da FIFA.

Agora é torcer para que o Brasil leve ao menos a Sul-Americana, enquanto na elite da América nossos rivais fazem uma festa, param o país e transformam a decisão num megaevento que o Brasil não seria capaz de fazer.

“País do Futebol”?

Ah, felizmente, Marta levou a Bola de Ouro. Mas, infelizmente, quem se importa?

Deixe sua opinião e colabore na discussão