Ouro olímpico, as curvas da vida e o primeiro passo dado

Créditos da imagem: UESLEI MARCELINO / REUTERS

Okay, o torneio – esvaziado – tinha um nível técnico apenas razoável. Mas serviu para “tirar a zica”.

Nem Zagallo, nem Luxemburgo, nem Mano Menezes. O “homem de ouro”, o treinador responsável pela primeira medalha dourada na modalidade mais popular do Brasil, atende por Rogério Micale.

A vida é mesmo cheia de curvas imprevisíveis, não?

Que o digam Fernando Prass e Weverton (este responsável direto pela conquista do título, ao defender a última cobrança de pênalti da seleção alemã).

O mais bacana dessa vitória brasileira (azedumes à parte de quem gosta de escancarar o óbvio ao afirmar e reafirmar – aparentemente apenas para desdenhar da nossa Seleção – que a final olímpica não tem o mesmo peso de uma semifinal de Copa do Mundo em casa, com derrota histórica por 7×1), foi constatar que o primeiro passo de reconstrução de imagem do futebol brasileiro foi dado.

A seleção de futebol mais bem-sucedida de todos os tempos ainda tem uma longa estrada a percorrer, é verdade. Mas há motivos para confiar.

Como bem retratou o colega Emerson Figueiredo em sua coluna feita na véspera da finalíssima, a proposta de jogo extremamente ofensiva (e taticamente responsável, é bom que se diga) de Micale pode servir como um bom ponto de partida para Tite.

A concepção de jogo está lá. Com as trocas de peças que fatalmente ocorrerão (e não serão poucas), acredito, sem excessos, que dê sim para sonharmos em beliscar a próxima Copa do Mundo, na Rússia.

Por fim, penso que Neymar perdeu uma grande oportunidade de ficar calado após a conquista da medalha.

É impressionante como o nosso craque (sim, craque!) é um “perna de pau” no trato com a sua nação, que vai se distanciando cada vez mais do seu “ídolo”.

Às vezes esperamos coisas das pessoas que elas não conseguem nos oferecer. Parece ser o caso de Neymar. Ele simplesmente não tem a grandeza espiritual que gostaríamos. É um moleque. No bom e no mau sentido.

E segue o jogo.

Leia também:

– A vingança escancarada: 774 dias depois, um Brasil x Alemanha com cheiro de prato frio

11 comentários em: “Ouro olímpico, as curvas da vida e o primeiro passo dado

  1. Gostaria da opinião de ´No Angulo´ sobre o post com o Neymar com a camisa “daquele Clube”?
    Tenho acompanhado, parabéns!!!

  2. Sinceramente Neymar nunca será um Messi ou um cr7,será no máximo um Rivaldo ,é se ser ainda pq esse ao meu ver foi um craque na sua posição um dos melhores da sua época.

  3. Esses meninos tem um longo caminho a percorrer , foi o primeiro passo ,sentiram na pele a pressão pelo resultado . Erraram demais , falharam na hora de colocar a bola pra dentro , porém é compreensível pela pouca experiência que possuem .O tempo os tornaram cascudos a Europa os tornará eficientes esta seleção nos dará uma copa do mundo com toda certeza.

Deixe sua opinião e colabore na discussão