W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Seleção Brasileira? Não, obrigado

Camisa-Rei-Pele-Copa-Mundo_ACRIMA20140405_0022_15

Créditos da imagem: UOL

Conheça a história de Píndaro Possidente, o primeiro jogador brasileiro a pedir dispensa da Seleção às vésperas de uma Copa do Mundo

PindaroNascido na cidade de Santo Antônio de Pádua (RJ), em 12 de março de 1925, Píndaro Possidente Marconi começou a sua carreira no Paduano e suas atuações logo o levaram à seleção do Estado do Rio de Janeiro – que na época não incluía a capital, então Distrito Federal.

O ex-lateral e zagueiro logo chamou a atenção do Fluminense e aos 20 anos já estava nas categorias de base do Tricolor.

Píndaro possuía uma técnica apurada e jogava duro quando era necessário, mas sempre com lealdade.  Não demorou muito para firmar-se como titular e capitão a partir de 1948.  Ao lado de Castilho – goleiro – e Pinheiro, formou uma defesa muito forte que ficou conhecida como “Santíssima Trindade”.

No Fluminense trabalhou com o técnico Zezé Moreira, que começava a sua vitoriosa carreira de técnico, e conquistou o Torneio Municipal em 1948, o Campeonato Carioca de 1951 e a Copa Rio de 1952, considerado o mundial de clubes da época.

Píndaro foi o capitão entre os anos de 1948 e 1955, mesmo atuando ao lado de grandes craques como Castilho, Pinheiro, Telê Santana e Didi. Por nunca ter sido expulso em sua carreira (!), recebeu o prêmio “Belfort Duarte”.

Um dos fatos mais marcantes ao longo de sua trajetória no futebol aconteceu em 1950. Fazia parte do grupo de jogadores da pré-convocação para disputar a Copa do Mundo daquele ano. Durante o período de preparação, ele se desentendeu com o técnico Flávio Costa e, para surpresa de todos, pediu dispensa da Seleção pouco antes da divulgação da lista final dos convocados.

Publicações da época afirmam que ele pediu o seu afastamento por não ter sido escalado em nenhum dos seis amistosos contra o Paraguai e Uruguai. Outro fato parecido só ocorreu em 1986, quando o lateral Leandro, do Flamengo, também pediu dispensa da Seleção pouco antes da Copa do México, em solidariedade ao amigo Renato Gaúcho, que havia sido cortado por indisciplina.

Aos 31 anos, em 1956, deixou os gramados após disputar 257 jogos com a camisa do Fluminense – única equipe que defendeu ao longo de sua carreira. Depois de deixar os gramados, seguiu a tradição familiar e comprou uma farmácia.

Na década de 70, foi dirigente das categorias de base do Fluminense e pelas suas mãos passaram os então jovens Abel Braga, Edinho, Rubens Galaxe, Pintinho, entre outros.

Em 2008, aos 83 anos e com problemas de saúde, veio a falecer em sete de agosto, vítima de falência múltipla dos órgãos.

Leia também:

Pagamos hoje pelos pecados de 1982, ano em que abrimos mão do bom futebol

Flamengo e Fernando Diniz: tudo a ver
Palpites da 1ª rodada do Brasileirão 2016

Escrito por:

- possui 17 artigos no No Ângulo.

Natural de Miracema, terra do mestre José Maria de Aquino, Ademir Tadeu é um colecionador de coisas sobre futebol, além de se considerar um saudosista, um genuíno amante da bola.

Entre em contato com o Autor

8 respostas para “Seleção Brasileira? Não, obrigado”

  1. Boa, Ademir Tadeu. Sempre valorizando a história do futebol aqui no site. 😉 Além desses jogadores que você citou, talvez o caso mais recente de “deserção” seja o do lateral-direito Rafinha, que preferiu atuar pela seleção da Alemanha em detrimento da brasileira.

    • Felipe Nonato disse:

      Certo ele! O balcão de negócios que virou a seleção, mais a corrupção no país, faz a maioria dos brasileiros de testarem a seleção tanto quanto política!!! Eu mesmo não vejo mais raça e nem amor a camisa nessa seleção! Torço pra perder mesmo pra ver se assim criam vergonha na cara e voltam a escalar os melhores!!!

  2. Vicente Prado (Coluna do Leitor) Vicente disse:

    Boa noite a todos.

    Por essas e outras que adotei este site, pois ele é SEMPRE DIFERENTE… Não é “metido a alternativo demais” como alguns de seus concorrentes o são, tampouco “comercial demais”… A leitura dos textos é sempre agradável, além de agregar muito, seja de coisas sobre o futebol “de ontem”, seja sobre o futebol “de hoje”…. E as metáforas muitas vezes presentes também em algumas colunas, em textos com a assinatura de seus colunistas, são dignas de registro.

    Parabéns a todos os envolvidos, virei fã.

    Como diria Serginho Groisman (qua-qua-qua), há “vida inteligente” na imprensa esportiva.

    Saudações.

  3. Obrigado por compartilhar outro fato do qual eu não fazia ideia, Ademir Tadeu! 😉

    Outro exemplo de “desertor” que eu me recordo é o do lateral-esquerdo Serginho, ex-São Paulo e Milan!

  4. Caio Bellandi disse:

    Mário Fernandes, lateral direito tb.

  5. Ademir Tadeu disse:

    Quando citei apenas o Leandro sendo outro “desertor”, foi por ter sido às vésperas de iniciar uma Copa do Mundo.

  6. José Maria de Aquino Paribar, na Dom JrrrrJose Maria Aquino disse:

    Foi casado com uma miracemense muito bonita – Maria das Graças. E tinha um irmão, Tutuca, volante e craque. Não foi profissional porque tinha programa no braço esquerdo/


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano atua e segue aprofundando estudos nas suas principais paixões: futebol e cidades. Especialista em gestão do esporte, como jornalista também encara o futebol como fenômeno cultural.

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados