Tango no Morumbi

Créditos da imagem: Rede Globo

O San Lorenzo buscou como uma obsessão durante grande parte de sua história a Copa Libertadores que terminou conquistando na edição passada. Era o único time grande da Argentina que não havia conseguido ser campeão da América, e com o título de 2014 tiraram um importante peso das costas. Apesar disso, tudo o que veio depois foi ruim.

Nesta nova edição, o San Lorenzo buscará que essa síndrome de relaxamento pelo título do ano passado acabe de uma vez por todas. Foi uma das piores equipes argentinas no segundo semestre de 2014, e sua apagada atuação no Mundial de Clubes em Marrakesh, contra o Auckland City e o Real Madrid, deixou seus torcedores irritados com o elenco e a comissão técnica.

Para sair desse “cochilo”, o conjunto de Edgardo Bauza contratou bons jogadores como Franco Mussis, Matias Caruzzo e, principalmente, Sebastián Blanco, um volante ofensivo com muita qualidade e chegada ao gol.

A presença das duas equipes brasileiras no grupo do San Lorenzo significa um risco – pela qualidade tanto do Corinthians quanto do São Paulo – mas também traz boas recordações ao clube de Boedo, já que na campanha vitoriosa de 2014 venceu três times do país: Botafogo, Grêmio e Cruzeiro.

Ainda que falte muito, se quiser se classificar às oitavas-de-final, é importante não perder contra o São Paulo para seguir com vida. Como o San Lorenzo derrotou o Danúbio no Uruguai, e perdeu em casa para o Corinthians, é necessário pontuar hoje à noite no Brasil para poder definir em Buenos Aires.

O time chega com moral depois de vencer no domingo passado o Huracán por 3 x 1 no retorno do histórico clássico, que não era disputado há quatro anos porque o Huracán estava na Segunda Divisão.

Tanto a imprensa como os torcedores do San Lorenzo entendem que hoje é a partida chave do grupo, já que veem o Corinthians como o líder consolidado do grupo, e lutarão pela segunda colocação com o São Paulo. Os jogadores e a torcida esperam que a equipe consiga obter ao menos o empate. Na Argentina, surpreendeu a decisão da diretoria do São Paulo de oferecer dois ingressos na compra de um para levar mais gente ao Morumbi.

Os pontos fortes do San Lorenzo são os rápidos contra-ataques e o poder de gol de um cabeceador como Mauro Matos, além da experiencia do meia “Pipi” Romagnolli. Entretanto, tem problemas de marcação e seu técnico é criticado por ser cauteloso, meio defensivo.

Agora tem uma oportunidade ideal para reencontrar seu jogo após tomar fôlego no torneio local. O campeão vai pelo bicampeonato. Conseguirá?

6 comentários em: “Tango no Morumbi

  1. Valeu mesmo, Raphael!

    E como está escrito no “Quem somos”, quando quiserem escrever algo sobre futebol, é só mandar pra gente que, com o texto sendo aprovado pela equipe, vai ser publicado na mesma seção e com o mesmo destaque que o de qualquer colunista 😉

Deixe sua opinião e colabore na discussão