O Brasil diminui a Neymardependência

Créditos da imagem: REUTERS/Sergei Karpukhin

O jogo entre Brasil e Rússia teve um primeiro tempo sonolento. Os russos, que certamente apresentam uma das seleções mais humildes de sua história, montaram uma retranca fechadíssima. O Brasil trocava bolas na frente da área, mas pouco conseguia de agressividade.

No segundo tempo, Tite corrigiu o posicionamento da equipe. Coutinho se movimentou mais à frente da defesa adversária. Willian e Douglas Costa se tornaram mais efetivos jogando abertos nas pontas e Paulinho entrou nos espaços entre as linhas russas com mais desenvoltura.

O Brasil passou a criar chances na linha da pequena área adversária. O futebol de Willian e Coutinho apareceu. Douglas Costa aproveitou a chance que lhe foi dada no amistoso. E Paulinho mostrou-se um jogador essencial para a campanha do Brasil na Copa.

A defesa, bem protegida por Casemiro (que não tem a mesma liberdade de aparecer no ataque como no Real Madrid), é competente. Miranda, Thiago Silva, Marquinhos e Geromel conseguem manter o nível de atuação. Marcelo é um dos grandes craques do time. Já Daniel Alves destoa às vezes do restante. O duro é achar um substituto à altura da experiência internacional dele.

Gabriel Jesus mostrou a enorme dificuldade que tem ao jogar centralizado contra defesas fechadas. Resolver esta situação é uma tarefa importante para Tite. Firmino, que entrou no segundo tempo, também não mudou o quadro. Poderíamos ver uma experiência com William José, Jô, Fred ou outro atacante mais encorpado para buscar espaço entre os adversários grandalhões.

Claro que com Neymar o time ganha muita qualidade. E também passa a jogar em função do camisa 10. Não quero dizer que Neymar é problema. Pelo contrário, é um tremendo diferencial para a Seleção Brasileira. Mas, felizmente, parece que estamos em um estágio diferente do de 2014, quando a contusão de nosso maior craque transformou o time em um bando, que tomou dez gols em dois jogos (7 a 1 da Alemanha e 3 a 0 da Holanda).

Temos hoje um técnico competente e em grande fase. E um grupo mais maduro que tem opções até para fazer uma apresentação muito boa mesmo sem Neymar em campo. Imagine quando o namorado da Bruna Marquezine estiver em forma e integrado ao esquema?

10 comentários em: “O Brasil diminui a Neymardependência

  1. Realmente, o melhor dos mundo é este, com a Seleção sabendo que sobrevive sem o Neymar. E, realmente, é só ver a formação que enfrentou a Rússia para constatar que é um time forte!

    Mas, posto isso, continuo achando que o Neymar é essencial para qualquer chance de o Brasil ganhar a Copa, simplesmente porque os outros jogadores de ataque do Brasil, que são muito bons, não são protagonistas, não são homens de decisão. Isso, só ele é!

    1. a Alemanha não tinha nenhum protagonista nestes termos em 2014. Mesmo Müller, apesar do incrível desempenho em Copas, sempre deveu isso mais ao coletivo que a um repertório individual fabuloso. Um protagonista é bem vindo, mas não é indispensável numa Copa disputada muito em cima do fim da temporada europeia. Não há físico que permita chegar às partidas finais desequilibrando. Mesmo no caso de Neymar, o longo tempo inativo não permitirá que recupere velocidade e potência muscular a ponto de sobrar em tantos jogos.

  2. existe vida sem Neymar e é bom desenvolver isso, porque muito provavelmente ele não estará em condições físicas de ser protagonista sem outras alternativas.

  3. É ótimo a seleção ir bem sem o Neymar, tomara que ganhe assim da Alemanha também, quem sabe assim ele veja que o time não depende só dele e deixe de ser tão fominha!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  4. Isso e bom isso que eu quero, e os demais tbm, torço pra ele fazer a seleção forte sem precisar muito de neymar, o futebol brasileiro com todo respeito ao nosso neymar, precisa parar de depender toda hora dele, o futebol brasileiro teve tantos craques ao longo de sua rica historia, pra ficar dependendo de neymar? Nao pode, nao creio que so ele e capaz de fazer jogadas incriveis nessa seleção, nao creio, os outros tende se enchegar capazes tbm, chamar a responsabilidade, tenho certeza que vamos fazer um grande mundial.

  5. Neymar queiram ou não o toque de magia e ousadia que essa seleção precisa. Sem ele somos previsíveis, Wilian que todos falam não me agrada , detesto jogador de esquema que obedece um posicionamento estipulado. Não assume protagonismo e isso para torneios é fundamental. Gabriel Jesus sem Neymar fica esquecido os dois se completam quando estão juntos. E o tal Fernandinho minha nossa como pode ser segundo volante o Tite teria que ter ousadia no jogo contra Alemanha pra ver como se comportaria um time ofensivo diante de uma seleção de peso. Terça feira ele pode perder nas eliminatórias não. Então bora lá ver como seria um time ousado com responsabilidade.

Deixe sua opinião e colabore na discussão