“Rumo ao topo”: Luxemburgo é, hoje, o que Telê Santana era em 1990

Créditos da imagem: Gazeta Esportiva

“Vou colocar o time do Santos para voar”

O egocentrismo de Luxemburgo faz com que muito do que fala não seja levado a sério como merecia. É o caso da alegação de que todos os esquemas modernos são variações do 4-4-2. Talvez seu vocabulário não tenha sido preciso, mas o fato é que realmente derivaram do 4-4-2. Vejamos:

  • o 4-2-3-1 surgiu de duas formas. No jeito europeu de jogar, com uma linha de 4 no meio-campo, um dos dois atacantes enfiados recuou, enquanto os dois meias abertos avançaram. Já no Brasil, o terceiro volante (muito utilizado por Luxemburgo) abriu para um dos lados e o segundo atacante recuou e abriu para o outro. Vide a seleção de 2010, em que Elano foi para a direita e Robinho para a esquerda, com Kaká centralizado. O 4-4-2 com 3 volantes era um 4-2-3-1 disfarçado.

  • mais adiante, um dos volantes do 4-2-3-1 deu lugar a outro meio-campista, surgindo o 4-1-4-1.

  • quando os jogadores abertos deste esquema mudaram de meias-atacantes para atacantes de origem, vimos o 4-3-3. Bem diferente do 4-3-3 do passado, mesmo porque os pontas entram mais na área e não raro jogam de “pé trocado” – destro na esquerda e canhoto na direita.

Portanto, não é desprovida de fundamento a análise de Vanderlei Luxemburgo. O que pode soar como recalque, por força de sua fama, é também uma visão interessante da linha que levou a estas formas de jogar. A questão é: por que os trabalhos de Luxemburgo não conseguem executar as formas derivadas do 4-4-2 que ele viu? Mais: por que acreditar que ele pode conseguir daqui pra frente?

Penso que o grande entrave não foi o pôquer, nem a idade. O erro de Vanderlei é aceitar que a evolução seja imposta de fora para dentro. Como profissional sui generis que é, deveria ele próprio ditar a evolução do que treina. Ao tomar como objetivo chegar ao produto de outros, deixou de acreditar em si mesmo e, assim, sabotou-se.

Situação bem diferente, e vitoriosa, pode vir quando tiver carta branca e suporte para cuidar de seu laboratório com suas próprias experiências. Foi assim nos anos 1980, quando a liberdade plena criou o campeão Bragantino. Ou em 1993, quando chegou para salvar os milhões da Parmalat. Nada de “faça isso ou aquilo”. “Faça o que achar melhor” é o que dá certo.

Luxemburgo ainda tem saúde e metas a atingir. Lembra, de certa forma, a situação de Telê Santana em 1990. Eram tempos em que treinadores como ele eram tidos como acabados, enquanto novatos como Nelsinho e o próprio Vanderlei tinham holofotes. O São Paulo, em mau momento, resolveu dar uma chance. Acertou em cheio, mas porque decidiu acreditar em seu talento, sem imposições. Com pessoas únicas não há outro meio de funcionar.

Por isso acredito que a História de conquistas de Luxemburgo não acabou oficialmente. Com o enfoque certo, tanto dos dirigentes quanto dele mesmo, o grande momento de sua carreira ainda pode estar para acontecer.

Leia também: 

– Seja bem-vindo (desde que no clube dos outros e não no meu), Vanderlei!

 

10 comentários em: ““Rumo ao topo”: Luxemburgo é, hoje, o que Telê Santana era em 1990

  1. Luxemburgo é um excepcional treinador. Nos comentários da copa.do mundo como.comentarista, foi o único que alertou que teríamos dificuldades , pela mudança na forma.de jogar . Salientou que a saída de Renato Augusto, a seleção ficaria desequilibrada. Disse.antes da desclassificação. O que pega a ele é sua arrogância , não deve respeitar hierarquia , é só prestar atenção na.frente das câmaras . Arrogante prepotente senhor da razão. O lobo perde o pelo mas não perde o.vicio , ele.não mudará esta.maneira de.ser que o atrapalha. O mundo.mudou e os.boleiros.também rsrs.

  2. Não sei se influi em alguma coisa, mas sei que o autor do texto, Belmiro Mironga, é primo de Danilo Mironga. Dizem que não se dão muito bem.

    1. Oi?? Como assim? O campo tem 3 setores…como fazer tanta divisão assim??
      A divisão em 4 já é o máximo que inventaram. Agora, dividir em 5?!?!
      Não concordo, me explique.
      Deixo claro que vi muito o time de 2004 jogar ao vivo, e que aquele time foi campeão no 4-4-2.
      Fabinho (primeiro volante), Preto Casagrande (segundo), Elano e Ricardinho; Basílio (Robinho) e David.
      Simples, e eficiente, assim!!

  3. Essa diretoria do Santos é tão incompetente, que não tem como não ficar puto e permanecer quieto.

    Desde o começo do ano, é uma cagada atrás da outra, vou enumerar algumas:

    – Fizeram uma chapa rachada, para vencer as eleições. O presidente José Carlos Peres e o vice Orlando Rollo não se entendem.
    – Demitiram o diretor de futebol, que é “o homem forte” das contratações com 45 dias de trabalho. Ou seja, ou teve erro na montagem da equipe, fazendo uma equipe fraca de gestão ou houve erro na demissão do Gustavo Vieira (o diretor demitido).
    – Enxotaram ídolos do clube, que eram funcionários e tinham o respeito de todos, inclusive dos jogadores, sem qualquer respeito. Chegaram ao ponto de mandar o Elano embora por telefone.
    – O trabalho do treinador não estava sendo bem feito, até aí não é culpa da diretoria, mas teve uma parada para a copa do mundo, com um mês inteiro sem jogar, só fazendo pré temporada, aí os caras vão e me mandam o Jair Ventura embora dois jogos após a parada, quando era para tê-lo feito antes da parada.
    – Demoraram mais de sete meses para contratar meio-campistas para o clube, nesse tempo, o clube já está muito próximo à zona de rebaixamento do brasileiro, já perdeu estadual e passou apertado na libertadores.
    – Os meio-campistas em questão, principais contratações para a temporada, só irão estrear em agosto(e não está garantido).
    – Conseguiram a façanha de deixar o Sanches e o Bryan Ruiz fora da Copa do Brasil, campeonato que melhor remunera o campeão, por não conseguir inscrevê-los no BID, para se ter noção do tamanho da incompetência da diretoria, Ruiz foi apresentado em 11/07 e Sanchez em 24/07 e ainda não constam no BID, enquanto o Cruzeiro contratou o Barcos em 14/07 e constava no BID dia 18/07, o São Paulo contratou Rojas em 16/07 e já estava apto em 17/07 e o Corinthians apresentou o Derlis hoje e já o inscreveu no BID.
    – Nem vou comentar que, para um time com os bastidores pegando fogo, por falta de comando, contratar um técnico com temperamento como o Cuca é adicionar gasolina ao incêndio.

    É a pior diretoria da história do Santos, consegue ser pior que a do Odílio Rodrigues.

    #TôPuto

Deixe sua opinião e colabore na discussão