W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

Aymoré Moreira – Um Miracemense Campeão do Mundo

FUTEBOL - AYMORÉ MOREIRA - ESPORTES - ACERVO - Aymoré Moreira, técnico do Corinthians, durante a partida contra o Palmeiras, válida pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1970 - Estádio Paulo Machado de Carvalho(Pacaembu) - São Paulo - SP - Brasil -22/11/1970 - Foto: Acervo/Gazeta Press

Créditos da imagem: Gazeta Press

Com a morte de Aymoré, ocorrida em Salvador (BA), em 26 de julho de 1998, por falência múltipla dos órgãos, terminou a última dinastia familiar do futebol brasileiro, formada pelos três irmãos, que durante muitos anos fizeram parte da história do esporte nesse país.  Zezé, Aymoré e Airton, conseguiram um fato raro em todo o mundo, de três irmãos, à mesma época, destacarem-se desempenhando a mesma função de técnico de futebol.

Nascido em 24 de abril de 1912, na cidade de Miracema (RJ), Aymoré iniciou sua longa carreira no futebol como goleiro do Sport Club Brasil, equipe amadora do Rio, aos 18 anos, em 1930, levado que foi pelo seu irmão mais velho, Zezé Moreira, que já estava estabelecido na cidade.

Aymoré jogou também no América (RJ) – 1932/33, no Palestra Itália (o atual Palmeiras) – 1934/35 (campeão paulista de 1934), e transferindo-se no ano seguinte para o Botafogo (RJ), onde permaneceu até 1946, quando encerrou a carreira. No ano de 1941, teve uma breve passagem pelo Fluminense, mas logo retornou ao Botafogo. Em 1932, com apenas vinte anos, e apesar da baixa estatura para a posição, já era considerado um dos melhores goleiros do Brasil, o que o levou a defender a Seleção Brasileira em quatro jogos, entre os anos de 1932 e 1940.

A carreira de técnico começou no Olaria (RJ), em 1947, após cursar a Escola de Educação Física, no Rio. Outros times do Rio que dirigiu foram Bangu, São Cristóvão, Botafogo e Flamengo – 20 jogos; no estado de São Paulo, Portuguesa de Desportos – 206 jogos, Palmeiras – 193 jogos (campeão do Torneio Roberto Gomes Pedrosa em 1967), São Paulo – 63 jogos, Corinthians – 56 jogos (campeão do Torneio do Povo em 1971), Taubaté e Ferroviária; em Minas Gerais, América e Cruzeiro – 15 jogos; na Bahia, Vitória, Bahia, Catuense e Galícia, onde encerrou a carreira. No exterior, foi técnico do Porto – 28 jogos, e o Boavista – 63 jogos, ambos de Portugal; na Grécia, comandou o Panathinaikos.

Mas foi na Seleção Brasileira que teve a sua melhor fase. Além do bicampeonato mundial em 1962, conquistou também a Copa Roca (contra a Argentina), a Taça Rio Branco (contra o Uruguai), a Taça Bernardo O`Higgins (contra o Chile) e a Taça Oswaldo Cruz (contra o Paraguai). Como treinador da Seleção Paulista, conquistou os títulos de 1952/55/57 e 59. Na Seleção foi treinador em três períodos – de 1961 a 1963, em 1965 e 1967. O seu retrospecto como técnico da Seleção em jogos oficiais é o seguinte: 63 jogos, 38 vitórias, 9 empates e 16 derrotas.

Na Copa do Mundo de 1970, no México, além de escrever uma coluna semanal para a revista Placar, Aymoré atuou como olheiro de Zagallo. Foi o autor intelectual do quarto gol brasileiro contra a Itália. Desenhou a jogada em um guardanapo, no hotel. O time executou perfeitamente com a conclusão no petardo de Carlos Alberto. Um gol inesquecível!

Aymoré tinha o apelido de “Biscoito” por uma coincidência de nomes – no início de sua carreira, em 1930, como goleiro do Sport Club Brasil, a Biscoitos Aimoré era a mais popular fabricantes de biscoitos do Rio.

Ainda sobre a sua ligação com a cidade de Salvador, onde era muito querido e respeitado – recebeu até o título de Cidadão Soteropolitano – foi ali que escolheu fixar residência desde 1979.  Por coincidência, encerrou a sua carreira dirigindo um time baiano. Depois de aposentado dos campos, passou a escrever artigos para jornais e trabalhou como comentarista esportivo de rádio.  Quando veio a falecer, deixou a mulher, Neide, e dois filhos, Sheila e Eder Moreira. Inclusive, o seu filho tentou seguir a carreira de técnico, mas não teve a mesma sorte do pai. Chegaram a trabalhar juntos, no ano de 1985, como técnicos da Catuense, onde o Eder dirigia o time de juniores.

Nos dias 16 e 17 de janeiro, de 1993, os irmãos Moreira foram homenageados pela Associação Atlética Miracema, recebendo o título de “Sócio Benemérito” do clube. Ainda dentro das comemorações, fizeram o ato de descerramento da placa que os homenageava com o nome “Irmãos Moreira”, o estádio da Associação. Aymoré esteve presente acompanhado de seu irmão Zezé e dos também desportistas, Ademir Menezes, o “Queixada”, e do então presidente da Federação Carioca de Futebol, Eduardo Viana. Em 1995, retornou a Miracema, pela última vez, para junto aos demais irmãos receber o título e a homenagem aos “Miracemenses Ausentes”, na festa de aniversário de emancipação do município.

Nenhuma cidade do interior de nosso imenso Brasil, teve a honra de possuir três grandes treinadores, dois que dirigiram a Seleção Brasileira em Copas do Mundo – Zezé e Aymoré –, e acima de tudo, sendo irmãos, como Miracema.

Veja também: Zezé Moreira, o “mestre dos mestres”

Será que Bauza supera a maldição dos estrangeiros?
Carta para Johan

Escrito por:

- possui 23 artigos no No Ângulo.

Natural de Miracema, terra do mestre José Maria de Aquino, Ademir Tadeu é um colecionador de coisas sobre futebol, além de se considerar um saudosista, um genuíno amante da bola.


Entre em contato com o Autor

9 respostas para “Aymoré Moreira – Um Miracemense Campeão do Mundo”

  1. Gilberto Maluf (Coluna do Leitor) gilberto maluf disse:

    Ademir Tadeu, o locutor Fiori Gigliotti da rádio Bandeirantes, passava a bola para o repórter de campo Roberto Silva, que assim narrava : Fiori, o técnico Aymoré Moreira, o popular Biscoito, mandará para campo a seguinte escalação do Corinthians: Ado, Ze Maria , Ditão, Luis Carlos e Pedrinho. Tião e Suingue. Paulo Borges, Ivair, Mirandinha e Aladim. Aymoré Moreira comandava o Corinthians em 1970.

  2. José Aquino disse:

    A família do Aymoré era amiga da minha família e eu, naturalmente, me entendia muito bem com ele. Foi minha a indicação dele para a equipe da Placar na Copa de 70, como consultor. Como tinha quebrado a mão, eu escrevia a coluna dele e outra para o jornal Excélsior, do México. Às vezes ficávamos no mesmo apartamento nos hotéis e trocávamos muitas ideias. Fui com ele à concentração brasileira antes do jogo contra a Itália, logo após a decisão do 3o lugar entre Alemanha e Uruguai, debaixo de muita chuva…

  3. Paulo Moreira disse:

    Parabéns pelo resumo fiel e perfeito de um dos grandes treinadores da história do futebol brasileiro. Miracema é uma terra pródiga!

  1. […] Stutgart, por 2×1. Como não tinha Pelé, a derrota poderia parecer normal ou razoável. Mas Aymoré Moreira, o técnico, viu mais longe. E decidiu mudar a forma do time jogar. Sair do 4-2-4 fixo, sem […]


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados