Hora de Cueva aparecer. E uma crítica a Jorge Sampaoli

Créditos da imagem: Reprodução Santos FC

Maior investimento da gestão Peres, meia peruano deveria ter tido mais oportunidades em 2019

Não douremos a pílula: Cueva é um mau profissional. E seu histórico escancara isso de maneira inconteste.

Com menos de um ano no Santos, o jogador arrumou briga em balada, atrasou-se em treinos e, de maneira bastante questionável, sempre priorizou a seleção de seu país em detrimento de seu clube empregador (e pagador!).

Ocorre que Cueva sempre foi assim. Trata-se de um mestre da autossabotagem. E o Santos, quando fez a sua contratação -devidamente avalizada por Sampaoli, é bom que se diga-, sabia do “pacote Cueva” e ainda assim topou arriscar.

Isto posto, por que diabos então o treinador argentino jamais escalou Cueva por uma partida sequer como titular, haja visto todo o investimento realizado (superior ao da venda de Bruno Henrique ao Flamengo)?

Dar chances efetivas, colocar para jogar “na boa”, criar um cenário positivo -até para poder cobrar- era algo esperado, mas não cumprido por Sampaoli.

No total, foram 16 míseros jogos do peruano, quase sempre com alguns poucos minutos em campo. Saldo final: zero gol, zero assistência, zero de confiança e muita reclamação da torcida.

Ora, Cueva não se ajudar é deveras lamentável, mas um tanto previsível, agora, o seu comandante, aquele que deu o OK para a sua contratação (em tese, a principal do clube na temporada), não fazê-lo, causa estranheza e, no meu entendimento, justa insatisfação.

É como se Sampaoli estivesse dando de ombros para a gravíssima situação financeira do Santos.

O mesmo valendo para Uribe, aqueeele camisa 9 insistentemente pedido pelo treinador em suas entrevistas, mas que acabou sendo muito pouco utilizado, até pelo grande desempenho de Sasha, o segundo melhor centroavante do último Brasileirão (atrás de Gabigol) e que estava no elenco desde o início do ano. O que suscita um inevitável questionamento: precisava tanta chantagem (sim, com o prestígio que alcançou pelo excelente trabalho prestado, qualquer pedido de Sampaoli passou a repercutir bastante) via imprensa por mais essa contratação, profesor?

De maneira que colocar Cueva para jogar é algo que faz todo sentido e que bom para o Santos que Jesualdo Ferreira já esteja dando sinais de que assim o fará. Seja na função de Evandro, como um meia, seja mais aberto pelas pontas, quando Soteldo ou Marinho não puder atuar, o mais novo “bad boy da Vila” pode contribuir. Tem bola para tanto.

E vamos combinar que o combalido financeiramente Santos não pode se conformar em tratar Cueva como um passivo, como um dinheiro perdido. Deve, pois sim, trabalhar (e muito!) para reverter a situação de um jogador que, segundo consta, é querido por todo o elenco.

Desculpe a ironia, mas menos mal para o Peixe que o seu novo treinador, ao contrário de seu antecessor, parece ter internet em casa e chega sabendo das condições do seu novo clube e disposto a encarar a realidade santista.

E segue o jogo.

Um comentário em: “Hora de Cueva aparecer. E uma crítica a Jorge Sampaoli

Deixe sua opinião e colabore na discussão