Seleção é excelência, mas confiança também

Créditos da imagem: Pedro Martins/Mowa Press

Toda vez em que nos aproximamos de uma Copa do Mundo se inicia a discussão sobre quem deveria ser levado e os injustiçados. Abordo este assunto por causa das manifestações que já são feitas sobre quem está merecendo lugar no time de Tite. O talentoso colega Fernando Prado já se manifestou aqui sobre os merecimentos de Vanderlei. Tem toda razão, assim como os contrários também.

O goleiro é sempre um ponto forte da discussão. Tirando a fase hegemônica de Gilmar, de 58 a 66, sempre se  discutiu quem era o melhor para uma Copa. Félix foi titular em 70, quando muitos defendiam Ado ou até mesmo o não convocado Raul. Em 74 e 78, Leão assumiu sem contestações, exceto alguns defensores de Raul. Em 82, Waldir Peres foi titular quando Raul e Leão eram os mais cotados.

A polêmica se estendeu em 86, quando Carlos barrou o favorito Leão. Em 90 e 94, Taffarel era unanimidade. Em 98, 2002 e 2006, muitos brigavam por Rogério Ceni, que perdeu a chance por não ser um atleta de equipe. Seleção tem muito de qualidade e bastante de confiabilidade. São vagas a serem preenchidas por critérios de confiança do treinador,

Foi por isso que Geraldino, reserva de Rildo no Santos, foi chamado nos anos 60 junto com o titular de seu time. Reserva no Santos e na seleção, alcançando uma vaga que muitos titulares de outros times cobiçavam. O mesmo aconteceu com Rocha, que era reserva do Botafogo, mas foi chamado em convocações de Telê em alguns jogos nos anos 80.

Não basta Vanderlei ser o melhor. Precisa ter a confiança do técnico. Assim como Cássio ou Fábio, do Cruzeiro. A seleção deixou muitos craques no caminho. Que o digam Ademir da Guia, Dirceu Lopes, Djalminha, Alex (Palmeiras e Cruzeiro), Adílio, Andrade, Neto, Giovanni, Vladimir e tantos outros.

Tite confia em alguns jogadores dos quais não abre mão. Paulinho, Renato Augusto, Miranda e outros são nomes em que o treinador aposta. Assim como Alisson e Weverton. O futebol é desse jeito. O treinador confia em nomes que não são unanimidades, mas que integram o grupo de confiança.

7 comentários em: “Seleção é excelência, mas confiança também

  1. Eu entendo e concordo que sempre tenha sido assim, mas eu discordo que seja assim, rs! Não entendo o porquê de essa “confiança” ter margens tão grandes quando se fala de goleiros.

    Para mim o Victor e o Cássio são seguramente os MAIORES goleiros brasileiros. Experientes, que já foram decisivos em conquistas de seus clubes, goleiros de jogos grandes. Não consigo imaginar a Seleção sem um deles. Vanderlei vem em uma fase espetacular. E Diego Alves e Ederson tiveram destaque na Europa.

    Para mim não existe nada que justifique a convocação de Alisson e Weverton. Está muito fora da margem do que cabe ao técnico preferir…

  2. Boa, Emerson Figueiredo. Tomara que o Tite convoque o Vanderlei e que ele possa vir a ser um dos seus homens de confiança. O fato de o Taffarel ter ido a um treino do Santos para poder acompanhar o seu treinamento pessoalmente é um bom sinal. E obrigado pelo “talentoso”, tenho sorte de estar cercado por amigos competentes e generosos! Hehehe. Um abraço!

Deixe sua opinião e colabore na discussão