Caso Santos x Palmeiras: mitos e mimos

Créditos da imagem: Lancenet

Uma coisa não pode se negar no colega Gabriel Rostey, companheiro de colunas de “No Ângulo”: ele é corajoso. Dar a cara a bater ao falar do “mimado” Santos e do “injustiçado” Palmeiras é um ato de arrojo. Assim como não se pode dizer que está errado o artigo do também colega Fernando Prado, que listou uma série de “se…” para mostrar que o Santos perdeu a Copa do Brasil de 2015 mais por “méritos próprios” do que por superioridade dos palmeirenses.

Não sei se os leitores curtem esta sequência de artigos com o mesmo tema. Por isso, vou me prender mais aos “mitos” e “verdades” que se estabelecem no futebol e que, enraizados, dificilmente são analisados com rigor.

Peguemos o exemplo do Santos. É um time que, por causa do período Pelé, passou a ser considerado santuário do futebol de excelência. O que é justo. Afinal, nenhum time no Brasil jogou como o Santos de Pelé dos anos 59 a 70. O Botafogo de Garrincha chegou perto, mas não teve tantas conquistas justamente por causa do Santos. A Academia Palmeirense também esteve próxima a este nível, inclusive interrompendo a sequência de títulos santistas nos anos 60.

O futebol jogado em campo, e bem interpretado, não deixa muitas dúvidas. Não dá para os demais cariocas ignorarem a superioridade do Flamengo de Zico. Nem para os paulistas não reconhecerem períodos de supremacia entre os seus grandes, cada um em sua época. Mas sempre existe aquela teoria da conspiração. De que a mídia favorece este ou aquele.

É esta suspeita no ar que faz com que os santistas já entrem nas discussões acusando a mídia ou os dirigentes do futebol de serem parciais. Mas é preciso ir à raiz das questões. Se pegarmos com rigor a história, teremos que dar ao Santos o mérito de ser o maior revelador e desenvolvedor de jovens talentos. Isso, entretanto, ficou mais restrito nas últimas décadas às gerações Robinho/Diego e Neymar/Ganso.

Desde o final da era Pelé, o Santos ganhou vários Paulistas, dois Brasileiros (2002 e 2004-parte com Diego e os dois com Robinho no auge da forma, além de reforços como Ricardinho), a Copa do Brasil de 2010 (Ganso, Neymar e Robinho) e a Libertadores de 2011 (com Neymar e Ganso). Fora isso, foram apenas Paulistas. Mesmo assim, o time desfruta da aura de praticante do melhor futebol.

É fato que, por ficar fora da capital, o Santos não tem a mesma cobertura de mídia que os outros grandes paulistas. Mas existe uma linha de defesa em relação ao celebrado alvinegro praiano, que inclui até não-santistas saudosos dos velhos tempos, que faz tudo o que diz respeito ao clube, em especial na internet, ter reações rápidas e raivosas/chorosas.

Como jornalista de longos anos de carreira, arrisco dizer que ser crítico em relação ao futebol do Santos seria como afirmar, até pouco tempo atrás, que o São Paulo não era todo esse exemplo de gestão moderna. As verdades são criadas e/ou reproduzidas pela mídia, assumidas pela torcida, e acabam se solidificando independente dos fatos.

Hoje, temos várias certezas cujas razões se perderam no tempo. Repetindo, o São Paulo é exemplo de administração do futebol. O Flamengo cheira a título quando chega à fase decisiva. O Corinthians sempre tem futebol feio e é ajudado pela arbitragem. GreNal é o clássico com a maior rivalidade do país. FlaFlu é o principal duelo do país. O Palmeiras não conseguirá se reerguer.

De fato, infelizmente, temos que a Lusinha praticamente acabou, que o Botafogo surpreende quando não está na briga do rebaixamento, que o Fluminense se tornou o rei do tapetão etc.

Na verdade, precisamos agradecer ao fato de o Brasileiro ser o campeonato, entre todos os principais do mundo, em que o script muda a cada ano (com raras exceções). Eu seria um entediado espanhol ao ver só Barça e Real com chances de títulos, tirando um Atlético de Madrid quebrando a regra a cada “milianos”. Ou um alemão com só o Bayern chegando. Ou um francês vendo Lyon ou PSG dominando.

O futebol brasileiro dá mais opções e emoções. Dá até para se dizer que determinado time é mimado e receber como resposta colocações pertinentes. Este conjunto faz com que tenhamos novidades interessantes a cada ano, apesar da penúria de nossos times.

Leia também:

O Santos vem sendo tão mimado quanto o Palmeiras perseguido

– Santos mimado? E se…?

24 comentários em: “Caso Santos x Palmeiras: mitos e mimos

  1. Estou acompanhado de perto todos esse textos sobre o assunto. Talvez eu seja até o torcedor e , acima de tudo, amante do futebol que mais tem se envolvido com o assunto em questão. Acho uma atitude nobre sair em “defesa” de um colega e tentar mostrar, mesmo não sendo possível, que aquilo que ele escreveu ou fez, não está totalmente errado. Mas vamos lá. Você citou tempos áureos, tempos de glórias e soberanias do Santos, mas usou isso pra, mais adiante, dizer sobre essa “mística”, essa característica que muitos dizem estar atrelada ao Santos e você usou pra tentar justificar o tal mimo citado por seu colega. Essa de dizer que só o Santos joga pra frente e o Santos quem joga bonito. Calma aí amigo, existe um exagero tremendo nisso! A imprensa o faz sim, mas quando, de fato, o Santos joga de tal maneira. Isso acontece quando merece ser dito. Eu vi inúmeros Santos dentro de campo e te garanto que essa característica só foi atrelada quando se era merecido. Pra ser mais recente vamos citar o Santos de 2008 e 2009, aquele time ridículo, por falta de palavra melhor, e não me lembro de ter visto esse time ser elogiado com os atributos já citados. O que acaba acontecendo é o seguinte: veja o Corinthians, campeão em 2015 e o palmeiras, que deve se sagrar campeão esse ano. São dois times parecidos, são eficientes na defesa, são pouco espaço pro adversário, não apresentam um futebol bonito de se ver, mas são eficientes e competentes naquilo que se propõe a fazer. Da pra dizer que jogam aquele futebol lindo? Não. Aí vou citar o Santos, pegue o brasileiro se 2002-2004, os paulistas de 2010-11-12, a libertadores e a copa do brasil. Veja esses títulos recente, veja a maneira do Santos jogar. Sempre pra cima, com um futebol envolvente e de muitos gols. Vocês julgam isso como mimo pelo fato de sempre que o Santos aparece na mídia, se diz isso sobre o time. Mas calma aí, já parou pra analisar que, diferente de Flamengo, Corinthians, São Paulo, palmeiras, etc; se o Santos não estiver bem e ganhando títulos, nunca se fala do Santos? É nesse ponto que vocês estão sendo falhos em justificar o texto do seu colega Gabriel. Quando o Santos não está bem, ninguém fala dele. Quando se fala é porque montou um time, graças a sua base, que realmente joga pra frente. Vou usar como exemplo algo que vai elucidar bem o que digo: ontem eu assistia ao programa FoxSportsRadio, bom, o Santos é o segundo colocado no campeonato, vem de 7 jogos sem perder (6V-1E). Mesmo assim o time teve apenas 2 minutos de espaço no programa, isso mesmo, 2 minutos em um programa de quase 3 horas de duração! Falaram do líder, com toda razão, e não pararam de falar do cheirinho de hepta e do que pode estar acontecendo com o Corinthians. Essa é a realidade do Santos. O time é vice líder e, ainda que matematicamente, tem chances de título e não estão nem aí pra ele. Como eu disse antes, só se fala quando está sendo campeão, e quando somos, você sabe e tem que admitir que é jogando de uma maneira diferente.

    1. Faço de suas palavras a minha… Parabéns pelo seu jeito de pensar, que não é graças à Deus só falando e fazendo “agradinhos” para os times da(s) capital(is).

    2. Parabéns pelo texto! Eu nem perco meu tempo assistindo mais programas de esportes que só falam da galinhada! Cansei! E se formos campeões A mídia vai somente falar de como o Guarani da Capital conseguiu perder o título!

    3. Muito feliz em todas as colocações.
      Concordo com tudo o que disse, você analisa o futebol brasileiro melhor do que comentaristas que vivem disse e que erroneamente são formadores e opinião

  2. Desde o final da era Pelé, o Santos ganhou vários Paulistas, dois Brasileiros (2002 e 2004-parte com Diego e os dois com Robinho no auge da forma, além de reforços como Ricardinho), a Copa do Brasil de 2010 (Ganso, Neymar e Robinho) e a Libertadores de 2011 (com Neymar e Ganso). Fora isso, foram apenas Paulistas.
    O engraçado que quando o trio da capital vencia o campeonato paulista era um campeonato respeitado, ne? E sim, o santos “só” ganhou isso mesmo (dois brasileiros, copa do Brasil, recopa e libertadores). Os outros, foram 7 paulistinhas que os queridinhos da mídia da capital não conseguem ganhar.

  3. O mundo anda tão surreal que chegamos no dia em que um profissional de imprensa reclama de um suposto favorecimento da mesma ao Santos, que sempre foi desprezado e ostracizado.

    Coisa digna de Aldous Huxley.

Deixe sua opinião e colabore na discussão