W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012

A demissão de Aguirre no Inter – “uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa”

17171865

Créditos da imagem: Jornal Zero Hora

Vi muita gente criticando a demissão de Diego Aguirre do Internacional às vésperas do seu eterno clássico maior, contra o arquirrival Grêmio.

Mas, como diria o outro, “uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa”.

Após o jogo, é inevitável pensar que o timing da demissão foi errado. Segundo consta, o grupo de atletas gostava de Aguirre enquanto ser-humano e ainda não teria absorvido o baque da acachapante desclassificação na Libertadores, diante do Tigres. De maneira que a instabilidade do grupo restou evidenciada na goleada por 5 a 0 imposta pelo tricolor gaúcho.

No entanto, conforme manifestei na minha coluna da véspera do jogo da semifinal do principal torneio das Américas, o fato de a diretoria do Inter – que tem contato diário com o grupo de atletas – não ter tido a sensibilidade de esperar um momento mais oportuno para a demissão, não pode encobrir o trabalho no mínimo decepcionante realizado pelo treinador uruguaio.

Senão vejamos: o time comandado por Diego Aguirre, em que pese ter sido campeão estadual (derrotando na final o então Grêmio de Felipão, que nada tinha a ver com o vibrante time de agora, comandado por Roger) e eliminado nas oitavas-de-final da Libertadores aquela que talvez seja a melhor equipe do país na atualidade – o Atlético-MG -, em um duelo circunstancial e cheio de particularidades (gol no início na casa do adversário, falhas individuais etc), não tem conseguido manter uma regularidade e realizou poucos jogos em alto nível na temporada (o 4×0 contra a Universidad de Chile, por exemplo, foi exceção à regra). Eis que o Brasileirão começou e mostrou um Internacional sem conjunto, bagunçado, com uma campanha sofrível. Hoje a equipe está distante do G4 e sem qualquer perspectiva para o restante da temporada, algo no mínimo frustrante para um elenco tão caro e qualificado. Elenco este, vale ressaltar, muito mal utilizado pelo treinador, que, ao tentar implementar sua filosofia de rodízio de jogadores, não deu entrosamento ao time, não passou segurança aos seus atletas e jamais conseguiu dar um padrão de jogo à equipe. A cultura futebolística de onde se vai trabalhar há de ser observada tanto por quem contrata, como por quem é contratado. De modo que a experiência com o técnico vice-campeão da Libertadores de 2011 com o Peñarol (derrotado pelo Santos de Neymar na final) acabou sendo frustrante. Menos mal que, por linhas tortas, Aguirre acabou por revelar bons jovens valores do elenco para a equipe profissional, que deverão ser úteis para o próximo treinador, minimizando assim o prejuízo de sua passagem por terras gaúchas.

Diego Aguirre, assim como Ricardo Gareca, no Palmeiras (e que depois foi muitíssimo bem comandando a Seleção do Peru na última Copa América), não deu certo no Brasil. E a decisão pela troca, embora em momento inoportuno, me parece positiva e fará o Internacional crescer. Já que, em mais de oito meses de trabalho, dentro de campo nada aconteceu e sequer dava pinta de que aconteceria.

Aguardemos.

E segue o jogo.

São Paulo de Osorio tem proposta moderna de intensidade e pressão, mas peças que não contribuem para o estilo
Vermelho, vermelho... Vermelhão (da Serra)

Escrito por:

- possui 244 artigos no No Ângulo.

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.


Entre em contato com o Autor

10 respostas para “A demissão de Aguirre no Inter – “uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa””

  1. Jorge Rochembach disse:

    Perfeito! Onde eu assino?

  2. Vicente Prado (Coluna do Leitor) Vicente disse:

    O Aguirre definitivamente não foi bem. Tinha um bom material humano e pouco fez.

  3. Conrado Huber disse:

    E a coisa é a coisa

  4. Uma coisa é tomar 1 até 2 agora levar 5 e ainda do maior rival kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

  5. Matheus Alves disse:

    Belíssimas palavras

  1. […] a demissão de Diego Aguirre tenha sido criticada por boa parte da imprensa, o fato é que o Internacional melhorou sob o […]

  2. […] Osorio corre o risco de ter uma passagem fracassada por terras brasileiras, assim como foi com Diego Aguirre, pelo Internacional, que pecou justamente nesse […]

  3. […] Internacional está mais forte sob o comando de Argel (a verdade é que o badalado Aguirre simplesmente não deixou saudade), venceu o líder Corinthians na última rodada, está a dois pontos do G4 e vencerá o Figueirense […]


Deixe um comentário

Enquete

Qual o maior técnico brasileiro dos últimos tempos?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Colunistas

Emerson FigueiredoEmerson Figueiredo

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Redator, repórter, pauteiro e editor-assistente da editoria de Esportes da Folha. Trabalhou também na Folha da Tarde, Agora São Paulo, BOL, AOL e UOL. Paulistano, acompanha de perto o futebol desde a época em que os camisas 10 dos grandes times paulistas eram Pelé, Rivellino, Gérson/Pedro Rocha, Ademir da Guia e Dicá.

Gustavo FernandesGustavo Fernandes

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não resiste a um bom debate sobre esportes, desde futebol até curling. São-paulino, é fundador e moderador do Fórum O Mais Querido (FOMQ). Não esperem ufanismos e clichês. Ele torce, mas não distorce.

Jorge FreitasJorge Freitas

“Prata da casa” oriundo da Coluna do Leitor, este internacionalista é tão louco por futebol que tratou do tema até em seu TCC. Mestrando em Análise e Planejamento em Políticas Públicas, neste espaço une o gosto por escrever com a paixão pelo esporte mais popular do mundo.

Fernando PradoFernando Prado

Natural de Brasília, mas residente em São Paulo desde que se conhece por gente, é um apaixonado por esportes e pela “sétima arte”. Jornalista e advogado, busca tratar o futebol com a descontração que lhe é peculiar, com o compromisso da boa informação e opinião consistente.

José Maria de AquinoJosé Maria de Aquino

Em seus mais de cinquenta anos de carreira, teve passagem marcante pelos principais veículos de comunicação do país, de todos os tipos de mídia, como Rede Globo, SporTV, Revista Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Portal Terra. Além de um expoente do jornalismo esportivo brasileiro, também é advogado de formação.

Gabriel RosteyGabriel Rostey

Nascido dias após a seleção de Telê encantar o mundo e não levar o caneco na Copa da Espanha, esse paulistano é especialista em política urbana. Com formação em gestão do esporte, também encara apaixonadamente o futebol como fenômeno cultural.

Fernando GaviniFernando Gavini

Jornalista há 19 anos, já cobriu Copa do Mundo, NBA, Nascar, Pan, Mundial de vôlei, Copa do Mundo de ginástica, Libertadores e as principais competições do futebol nacional. Começou no A Gazeta Esportiva, passou pelo site do Milton Neves, Agência Estado, Agora São Paulo, Terra, ESPN e está na TV Gazeta. A trabalho, conheceu 8 países, 18 estados do Brasil e mais de 100 estádios.

Assinatura por e-mail

Arquivos

©2017 No Ângulo - Todos os direitos reservados