“Merci” e “adieu”, Monsieur Daniel Alves

Créditos da imagem: Thiago Rodrigues/Gazeta Press

Daniel Alves não raro tenta se mostrar mais articulado do que é. Neste final de semana, sentindo-se ungido no Olimpo, superou-se. As declarações sobre o São Paulo e o episódio dos agasalhos no pódio desafiam a compreensão de qualquer pessoa, desde um Forrest Gump até um Einstein. A ponto de até quem o homenageia ficar com cara de tacho. Imaginem você mandar parabéns a um amigo por uma conquista e ver este amigo, provocado por terceiro, descontar a fúria na sua pessoa em vez do ofensor. Entendeu? Nem o São Paulo. Muito menos o são-paulino que, de início, ficou “felizão” com sua vinda.

Reprodução / Twitter

Mal soou o apito final em Yokohama e o São Paulo publicou tweet parabenizando seu jogador pelo ouro. Como retribuição, foi exposto publicamente como tratante e caloteiro. Tudo porque certos torcedores vieram a acusar Daniel de abandonar o time durante os Jogos Olímpicos. Isso mesmo: ao disparar contra o São Paulo em resposta a detratores, agiu como se o seu empregador fosse o responsável pela acusação. Não foi. Na verdade, o tricolor paulista tornou possível a Daniel Alves disputar a competição que, sem nenhum sinal prévio, declarou ser seu grande sonho. O fato de estar devendo ao jogador não obrigava o clube, de modo algum, à liberação fora de data FIFA – em meio a partidas decisivas e com o time lutando para fugir do Z4. O prêmio pela liberalidade foi, pasme-se, a humilhação.

Não nego o calote dado pelo São Paulo. Pelo contrário, pois condeno. Desde o anúncio da contratação, sabia-se que o vultoso acordo não seria cumprido. Não foi porque Raí falou “le garantie c’est moi” que a mágica ocorreria. Ocorre que, embora isso não lhe tire um centésimo de seus direitos, o atleta estava a par da impossibilidade. Tanto que deu meses para o primeiro pagamento (que não veio). Mas ele também sabe que, mais cedo ou (bem) mais tarde, os atrasos serão pagos com juros. Mais: jogando sem receber de plano, Daniel pôde fazer o que não podia na Europa – mandar no clube. Até um treinador foi escolhido por ele. Nunca se entendeu como podia ter visto tantos jogos dos times de Fernando Diniz para dizer que era o melhor do Brasil. Mas quem teve moral para questionar? Leco?

Até o final do Brasileirão de 2020, Daniel Alves jogou onde quis, como quis e pelo tempo que quis, estivesse bem ou mal em campo. Um privilégio dado apenas a Messi, seu companheiro de Barcelona e melhor jogador do mundo por mais de dez anos. Foi para isso, pois sim, que Daniel resolveu atuar no Brasil. No futebol europeu, a despeito do número incrível de conquistas, foi sempre um grande coadjuvante nos grandes clubes em que atuou. Num SPFC decadente, com dirigentes confusos e suspeitos, além de uma torcida abobada com supostas boas notícias, chegou com status de “Lionel Alves”. Custou (literalmente), mas a fantasia finalmente deu lugar à constatação de que, mesmo capaz de desequilibrar algumas partidas, o pacote completo estava um tanto sobrevalorizado – além de irritante.

Contudo, a despeito de o fascínio ter diluído em todos os níveis, não se esperava a agressão verbal gratuita à diretoria. Primeiro porque não foi esta que prometeu sem cumprir. Segundo porque, parafraseando o inesquecível Orlando Drummond, deu o “maior apoio” para seu desafio olímpico. Como de bobeira demais a gente desconfia, fica a impressão de que, desde a convocação, Daniel Alves tenta provocar uma crise para rescindir o contrato e voltar à Europa. Como o São Paulo seguiu bancando o sonso feliz, inventou uma brecha para lavar a roupa suja em público. Inclusive já usando o título paulista (em cuja final não esteve) como “missão cumprida”. Resta saber se o clube seguirá magnânimo ou aproveitará o episódio para um bom acordo entre partes que, agora se reconhece, não deveriam ter se juntado.

Daniel Alves é um excelente jogador. Números e lances falam por si. Só que todas as torcidas, dirigentes, técnicos e colegas prévios aprenderam uma coisa: quanto mais perto ele se acha de ser o dono do pedaço, pior. O São Paulo e sua torcida acreditaram no inverso. Portanto, não deixam de merecer parte do que tiveram – exceto quem avisou, caso deste colunista. Mas agora já deu. O melhor é que a dívida seja rolada em muitas prestações, com o atleta encontrando outro empregador que saiba regular seu ego. Podem até agradecer, por educação, pelo título paulista. Mas sem novas lágrimas, porque algum senso de ridículo precisa reaparecer no Morumbi.

Deixe sua opinião e colabore na discussão